ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Votação da CPI da Saúde adiada mais uma vez

Data: 15/08/2018

Nesta terça-feira, o recém-empossado vereador Marco Aurélio Buco-Maxilo (PHS) fez pedido de vista do processo da CPI da Saúde - Marcello Medeiros

Marcello Medeiros

A expectativa era que fosse lido, discutido e votado na sessão desta terça-feira (14) da Câmara Municipal o relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito instaurada para apurar denúncias de supostos desvios e esquemas envolvendo na área de saúde em Teresópolis durante a gestão Tricano. Porém, o recém-empossado vereador Marco Aurélio Buco-Maxilo (PHS) fez pedido de vista do processo. O motivo alegado é que, como parte da comissão da Casa nessa área, ele precisaria analisar os documentos obtidos durante a investigação. Esta foi a segunda sessão que Marco Aurélio participou. Ele substituiu José Carlos da Estufa – que por sua vez era o primeiro suplente de Ronny Carreiro – que pediu afastamento para voltar ao cargo de secretário municipal de Agricultura no governo Vinícius Claussen.
“É legítimo o pedido de vista do Vereador. Importante frisar que a CPI já está concluída e apenas aguardando pauta para votar relatório para encaminhar depois ao Ministério Público, Polícia Federal, enfim, aos órgãos competentes para que medidas cabíveis sejam tomadas. Conseguimos identificar diversas irregularidades durante a gestão da saúde da nossa cidade pela ABBC, OSs que tinha contrato milionário com o município para administrar a UPA. Com o pedido de vista vamos aguardar para leitura, discussão e votação que vai acontecer na próxima terça-feira. Nesse pedido de vistas o vereador pode ficar com processo três dias, então na próxima semana já estaremos discutindo, votando e encaminhando para os órgãos competentes tomarem as medidas necessárias”, relata o Presidente da CPI, vereador Maurício Lopes. 
Ainda segundo ele, em um momento que se discute bastante a situação da saúde do município, que carece de investimentos em diversos setores, o desenrolar do processo que apura supostas irregularidades no governo mantido por força de liminar por mais de dois anos é extremamente importante. “Conseguimos constatar que eles sangraram literalmente a saúde da nossa cidade. Acredito que esses documentos na mão do Ministério Público Estadual, Ministério Público Estadual, Polícia Federal, vão ajudar a aprofundar as investigações”, destacou.

Questões trabalhistas
Ainda dentro da preocupante situação, na próxima quarta-feira, dia 22, às 19h, a Câmara Municipal realiza audiência pública com os servidores públicos lotados na saúde e contratados diretamente pelo município após a saída da ABBC da gestão da UPA e Postos de Saúde da Família. O tema será os valores dos salários pagos para a categoria, que estariam bem abaixo dos pisos previstos. “”Quero ouvir os profissionais da cidade e contar com a participação do atual prefeito, do atual secretario de saúde, para chegarmos ao denominador comum. Sabemos que é dramática a situação dos servidores, que tem contrato direto com a prefeitura com salário abaixo da categoria. É necessário ter diálogo com o chefe do executivo para que se evite esvaziamento desses profissionais da cidade. Isso pode acontecer. Eles podem receber propostas de trabalho, podem surgir com salário melhor e profissionais irem embora nossa cidade. Temos que evitar um mal maior em nossa saúde. A proposta dessa audiência é ouvir os trabalhadores e o governo e evitar até uma paralisação da saúde no município”, pontuou Maurício.

Saúde em discussão
O tema tem sido recorrente nas sessões ordinárias do Legislativo. Na semana anterior, o vereador Alessandro Cahet solicitou ao executivo municipal a viabilidade de estudar junto a secretaria municipal de Saúde a implantação de um posto para exames complementares (coleta de sangue, fezes e urina) e raio-x no SPA Dr. Eitel Abdallah, conhecido como "Tiro D´Or", no bairro de São Pedro. O objetivo é desafogar o grande número de ocorrências na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e outros setores do município. Também tem sido falado bastante em relação ao retorno do serviço de pronto socorro para o Hospital das Clínicas Costantino Otaviano, administrado pela Fundação Serra dos Órgãos (FESO). Alguns vereadores lembraram que o atendimento funcionava melhor no HCT e que, quando havia alguma ocorrência mais grave, o paciente imediatamente já era transferido para setor especializado. Hoje, a pessoa costuma ficar dias na UPA aguardando vaga e transferência.

 

Compartilhar:






ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Segurança: RAS não será mais compulsório no estado

Inscritos no Enem já podem checar local de provas

Campanha para descarte correto de medicamentos

Curso de primeiros socorros para orientadoras pedagógicas

Operadoras adiantam relógios em uma hora e causam confusão

        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ