ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Tarifa básica é objeto de questionamento no Tribunal de Contas da União

Data: 06/09/2018

Anderson Duarte

Imediatamente após o anúncio das novas tarifas de pedágio praticadas na Rodovia Rio Teresópolis, muitas pessoas já usavam as redes sociais para protestar e cobrar intervenções das nossas representações políticas no sentido de reverter os elevados valores autorizados pela ANTT. Com os R$ 19,30 cobrados por veículo de passeio em sua praça de cobrança principal, a CRT, para muitos teresopolitanos e visitantes, estaria promovendo um enorme prejuízo a toda a importante cadeia produtiva, turística e de negócios da região. Em razão dessa repercussão, e a exemplo do que aconteceu no ano de 2016, quando o aumento da referida tarifa se deu de forma “imoral”, um deputado federal de nossa região, acaba de questionar no Tribunal de Contas da União, a concessão de tal índice de correção e sua própria validade. Em nota, a CRT, quem administra a rodovia, informou que “a BR-116/RJ tem um dos custos por quilômetro rodado mais acessíveis do Estado do Rio de Janeiro, pois para percorrer os 142,5 quilômetros sob concessão da CRT, paga-se pedágio em apenas uma das praças”. 
O autor da representação no Tribunal de Contas da União é o deputado federal Hugo Leal, que também entrou com requerimento de concessão de medida cautelar sobre o aumento já concretizado no último fim de semana. Essa não é a primeira vez que o parlamentar representa contra a CRT em relação aos reajustes na tarifa básica do pedágio da BR 116, sendo a mais conhecida delas em 2017, quando a tarifa para automóveis subiu de R$ 12,20 para R$ 17,10, em mais de 40% de aumento. Agora, segundo Leal, o TCU deve procedes com uma revisão da resolução que aprovou esse reajuste mais recente, também considerado pelo político como “abusivo”. Segundo o documento, a taxa de inexecução dos contratos da concessão da rodovia, por si só, já deveria ser um impeditivo de correções desta monta. No seu requerimento, o parlamentar questiona investimentos feitos pela concessionária CRT nos últimos anos, o alto índice de inexecução de termos do contrato de concessão, e base para o cálculo do reajuste.
Mais uma vez, segundo a documentação apresentada pelo parlamentar, o reajuste extrapola os limites de razoabilidade e repercute diretamente no dia-a-dia da população, no transporte urbano e de cargas, no comércio e na indústria no Estado do Rio de Janeiro. O parlamentar é membro titular da Comissão de Viação e Transporte da Câmara e ressalta ainda que a falta de transparência da ANTT tem potencializado a insatisfação dos usuários, sem contar que a CRT se comprometeu a construir o viaduto no trevo da Fazenda Ermitage, ainda hoje em sistema adaptado. Hugo Legal defende que a concessão de rodovias seja separada da licitação para as obras. Assim, os pedágios poderiam ser barateados, e uma taxa extra poderia ser cobrada quando houvesse obras. O parlamentar observa ainda que as concessões foram feitas num período de instabilidade monetária e altos índices de inflação, o que influenciou na fixação de tarifas elevadas de pedágios. 
Diz o documento apresentado pelo parlamentar ao TCU: “O aumento da tarifa foi calculado em função de relatórios de impactos no reequilíbrio económico e financeiro da CRT, cujo evento de maior impacto no reajuste tarifário, além do IPCA no período, foram as substituições do tráfego projetado pelo tráfego real (2017), no percentual de 2,842%. Contudo, a referida alegação de subdimensionamento de tráfego do projeto não se encontra devidamente demonstrada nas notas técnicas da SUINF e no Voto DMV, não estando amparada em qualquer tipo de evento que pudesse atestar um possível erro no dimensionamento do volume de tráfego. Também é importante mencionar que a ANTT, o dia 02/12/2016 autorizou um reajuste para o ano de 2017 de mais de 40% na TBP, extrapolando todos os limites de razoabilidade e aceitabilidade. Segundo a agência, a revisão de 2016 se baseou preponderantemente no impacto de perda de receita pelos eixos suspensos isentos de pagamento. Sobre esse tema há uma consideração a ser feita, no que diz respeito ao aumento da tolerância nos custos da concessão, o que tem gerado divergência entre essa Colenda Corte e a ANTT; Enquanto a ANTT toma como base de cálculo o custo médio gerencial de manutenção apresentado pelo DNIT, a equipe técnica do TCU argumenta que adequado seria tomar como parâmetro os custos de manutenção associados à própria concessão, considerados pela concessionária. Isso, certamente, produziria percentual de aumento bastante diferente do autorizado pela agência”, explica.
Segundo o deputado, é necessário que se conceda também, a medida cautelar para que a tarifa não continue a ser cobrada enquanto não forem sanadas as possíveis irregularidades e abusos por parte da mesma. Diz o texto: “Diante disso, a unidade técnica especializada entendeu estarem configurados os requisitos do fumus boni iuris e do periculum in mora para a aplicação da medida excepcional pleiteada, limitada à parte que tange à parcela de reajuste decorrente do aumento de custos de manutenção do pavimento derivado do art. 16 da Lei 13.103/2015. Foi constatado no aludido acórdão uma superestimativa do impacto da nova lei ao fazer o cálculo, sendo certo que os novos cálculos determinados pela Corte devem ser estendidos a todas as concessões rodoviárias e a todos os reajustes já concedidos, a fim de que haja efetiva redução na tarifa, e não o contrário, como foi feito pela CRT”, explica. 
Ainda de acordo com a representação, o histórico de inexecução dos contratos da concessão da CRT também precisa ser considerado. “Outro fator que merece ser avaliado por essa Colenda Corte de Contas, é que não consta dos quadros acima mencionados a depreciação em virtude dos índices de inexecuções da citada rodovia. Como é cediço, a Concessionária Rio-Teresópolis apresentou nos últimos anos, assim como parte das concessões índica altos de inexecuções dos contratos de concessão. Ante o exposto, REQUER: cautelarmente, que a Concessionária Rio Teresópolis e a Agência Nacional de Transporte Terrestre - ANTT se abstenham de cobrar o acréscimo na TBP decorrente da Deliberação n° 623/2018, enquanto for definitivamente julgada por essa Colenda Corte de Contas a matéria envolvendo o impacto decorrente da aplicação da Lei dos Caminhoneiros (13.103/2015)”, finaliza.
Com 142,5 quilômetros de extensão, a BR-116/RJ foi concedida para iniciativa privada com o objetivo de exploração da infraestrutura, em 22 de março de 1996, pelo período de 25 anos. A licitação fez parte da 1ª etapa do programa de concessões rodoviárias. Para consultar todos os novos valores da tarifa de pedágio da Rodovia Santos Dumont (BR-116/RJ) acesse o site www.crt.com.br e click em Pedágio - Tarifa.  Com a alteração no valor da tarifa, já nos próximos dias deve acontecer também o reajuste nos preços das passagens de ônibus que passam por tais praças de cobrança. 

Compartilhar:








ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Estudo mostra que peixe de áreas atingidas por óleo pode ser consumido

Unidades do Sesc RJ exibem filmes selecionados na 3ª Mostra Sesc de Cinema deste ano

PRF prende foragido da justiça por pensão alimentícia

Verão: TJRJ libera advogados do uso de terno e gravata nas audiências

Bolsonaro fala sobre fraudes na Bolívia e renúncia de Evo Morales

CLASSIFICADOS


        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ