ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Programa da PM vai fazer reconhecimento facial e de placas de veículos

Data: 25/01/2019

Se aprovado, o projeto piloto, sem ônus para o Estado, servirá de base para o termo de referência de uma futura licitação, com a possibilidade de participação de outras empresas e será estendo para todos os municípios | Imprensa/RJ

A Secretaria de Estado de Polícia Militar vai experimentar novas tecnologias para reforçar a segurança no estado do Rio de Janeiro. Entre as iniciativas está a implantação do programa de reconhecimento facial e de placas de veículos, que começará a ser testado no Carnaval deste ano, em Copacabana. Resultado de uma parceria entre as secretarias de Polícia Militar e de Polícia Civil, Detran, Prefeitura do Rio de Janeiro e a Oi, o programa foi concebido a partir de um software desenvolvido pela empresa de telefonia. Se aprovado, o projeto piloto, sem ônus para o Estado, servirá de base para o termo de referência de uma futura licitação, com a possibilidade de participação de outras empresas.
Utilizando de forma integrada as câmeras instaladas em Copacabana, o sistema consiste no envio de informações online para uma central, que ficará instalada no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC). As imagens faciais e das placas dos veículos serão analisadas por operadores que utilizarão os bancos de dados da Polícia Civil e do Detran. A gestão operacional do sistema ficará restrita ao Estado, que terá o controle do banco de dados. O suporte da Oi será apenas na tecnologia oferecida. – Em uma blitz ou mesmo em um bloco de Carnaval, podemos detectar de forma imediata a presença de um criminoso ou de um carro roubado – explicou o secretário de Polícia Militar, coronel Rogério Figueredo de Lacerda, ressaltando que o programa será implantado praticamente a custo zero para o Governo do Estado.

Registros de ocorrências
A Secretaria de Polícia Militar também planeja implantar os registros de ocorrências de baixo potencial ofensivo. Nos casos de menores gravidades, como pequenos furtos e desentendimento entre vizinhos, os policiais militares não precisarão mais conduzir os envolvidos à delegacia e ficar à espera do registro. Eles enviarão o registro através de uma plataforma digital, que estará interligada ao sistema da Polícia Civil e do batalhão da área. O projeto-piloto acontecerá na Ilha do Governador.
Os PMs que participarão do projeto-piloto estão sendo treinados na Academia de Polícia Civil. Em menos de 30 minutos, o registro de ocorrência estará concluído e os policiais militares, liberados para o patrulhamento das ruas. Atualmente, um registro de ocorrência, independentemente da gravidade do fato, é feito em duas horas. - Estudos mostram que 68% das ocorrências são de baixo potencial ofensivo ou as chamadas assistenciais. Esse projeto vai dinamizar o policiamento e será replicado em todo o estado, na medida em que passarmos a dominar todo o sistema – afirmou o coronel.

 

 

Compartilhar:








ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Estudo mostra que peixe de áreas atingidas por óleo pode ser consumido

Unidades do Sesc RJ exibem filmes selecionados na 3ª Mostra Sesc de Cinema deste ano

PRF prende foragido da justiça por pensão alimentícia

Verão: TJRJ libera advogados do uso de terno e gravata nas audiências

Bolsonaro fala sobre fraudes na Bolívia e renúncia de Evo Morales

CLASSIFICADOS


        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ