ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Prefeitura retoma serviço remoção de erva de passarinho na Várzea

Data: 21/11/2019

Equipe da Secretaria Municipal de Serviços Públicos, com apoio da Guarda Civil Municipal para a interdição parcial do trânsito, retomou o serviço de remoção de erva de passarinho de duas grandes árvores na Avenida Feliciano Sodré - Plantão ? O Diário

Nesta quarta-feira (20), feriado pelo Dia da Consciência Negra, equipe da Secretaria Municipal de Serviços Públicos, com apoio da Guarda Civil Municipal para a interdição parcial do trânsito, retomou o serviço de remoção de erva de passarinho de duas grandes árvores na Avenida Feliciano Sodré, em frente ao Palácio Teresa Cristina, sede do governo municipal, e no cruzamento com a Rua Paru. A situação chamou atenção por conta do corte de grandes galhos para evitar que a planta daninha continuasse sufocando as árvores, serviço que deveria ter sido realizado em outra época do ano e, também logicamente, em administrações anteriores. No início do mês, as copas de duas árvores na Avenida Lúcio Meira, próximo ao cruzamento com o Parque Regadas, na Várzea, foram arrancadas e a ação gerou bastante polêmica. Na ocasião, a Assessoria de Comunicação da Prefeitura divulgou nota informando que a o serviço era necessário por conta do excesso de erva de passarinho, o que seria reflexo de descaso de outras gestões com o tema. “A poda de limpeza que está sendo executada nas árvores da Avenida Lúcio Meira é para retirada de erva de passarinho, uma hemiparasita que insere suas raízes no sistema vascular da planta hospedeira. A força daninha é tão grande que ela pode comprometer a vida da planta, semelhante ao câncer em nosso organismo. A planta afetada vai gradativamente definhando, sufocada pelo sombreamento e pelo roubo de água e nutrientes. A eliminação completa da praga só é feita por meio da supressão do caule afetado. Houve uma negligência do passado para deixar chegar a esse ponto, por isso a poda drástica se faz necessária em alguns casos, ou a árvore morrerá totalmente”, se defendeu o governo Claussen na ocasião. Nesta quarta, por conta do feriado, não houve expediente na PMT. A situação, porém, é idêntica a realizada no começo do mês e deve se repetir em diversas outras grandes árvores do Canteiro Central tomadas pela erva de passarinho.
Ainda segundo o documento divulgado no questionamento anterior, “todo trabalho é licenciado pela Secretaria de Meio Ambiente e executado pela Secretaria de Serviços Públicos, com acompanhamento de engenheiro agrônomo. Caso a população tenha dúvidas, as secretarias responsáveis estão à disposição”. Apesar de tais informações sobre olhares técnicos para o serviço, a decisão de cortar totalmente a copa das duas árvores, e não cortar e raspar as ervas daninhas, gerou bastante repercussão nas redes sociais. “Fizeram na época errada e exageraram. Tem que ser no período de seca, quando fica mais fácil identificar a planta hospedeira e a planta invasora. Dá mais trabalho arrancar somente a que está atrapalhando, mas é assim que deveria ser feito. Se forem fazer isso em todas, teremos um canteiro central somente com troncos vazios daqui a pouco”, pontuou uma internauta.

O problema e soluções
Desconhecida por alguns e odiada por muitos, a erva-de-passarinho é uma parasita capaz de complicar a vida e a energia de árvores saudáveis. A planta do gênero Phoradendron é transmitida por meio das fezes dos passarinhos, que consomem as sementes dos seus galhos e, por meio de sua digestão, acabam incentivando a germinação. De difícil eliminação, a erva-de-passarinho é fonte de raízes chamadas de haustórios, capazes de penetrar no interior do caule e sugar a seiva da árvore. A melhor saída para combater os efeitos negativos desta espécie é a poda, porém esta ação deve ser feita durante o inverno, anteriormente ao desenvolvimento das sementes do parasita, e quando a distinção de cada planta envolvida é mais fácil. 
Não é possível informar exatamente quanto tempo uma árvore contaminada pela erva demora a morrer. O tempo de vida da árvore, após a contaminação, depende de sua espécie, da qualidade do solo e de seu nível de estresse, que esta ligada ao local onde esteja fixada e ao nível de poluição do ar no lugar onde viver – que no caso das existentes no Canteiro Central é alto e piora a cada dia com a crescente frota municipal. Quanto à época de produção de sementes da erva-de-passarinho, ela varia conforme a espécie da parasita. 

 

Compartilhar:








ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Secretário adianta pontos da estratégia de vacinação para covid-19

UFRJ transfere para o dia 24 o início do período letivo remoto

RJ: Polícia Civil investiga vereador suspeito de desvio em combustível

Teresópolis Shopping realiza campanha pelo Dia dos Pais

Prorrogada suspensão das aulas presenciais até dia 20

CLASSIFICADOS


        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ

Desenvolvido por Agência Guppy