ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Prefeitura quer arrecadar R$ 217 milhões com IPTU e Taxa de Iluminação Pública

Data: 29/01/2019

Governo Claussen publica decreto de

Anderson Duarte

Muito se ouve falar da Lei de Responsabilidade Fiscal e as limitações por ela impostas aos administradores públicos. Há quem diga que essa pressão engessa a gestão, e ainda os que defendem esses limites como importantes ferramentas de manutenção dos direitos dos cidadãos. Polêmicas à parte, a avançada legislação ainda não encontrou formas de se limitar verdadeiramente e efetivamente esses gastos desproporcionais aos orçamentos e sempre há um a jeitinho aqui e ali para driblar a Lei. A publicação do “Decreto de Programação Orçamentária e Financeira”, por exemplo, que estabelece os limites das despesas discricionárias que a administração pública pode assumir no ano em curso com a expectativa de receita, acabou por se tornar uma grande “obra de ficção”, já que pouco, ou quase nada ali expresso se concretiza ou é fiscalizado ao longo do ano, ou seja, ninguém faz questão de obedecer e não há quem fiscalize. Alguns números quase desconhecidos da população aparecem nesta previsão, o quantitativo a ser arrecadado com a COSIP e com o IPTU em 2019.
Essas duas dimensões do decreto, de fato, chamam a atenção dos contribuintes, mas infelizmente negativamente, quase como se fossemos expostos a uma declaração de “cidadão oficialmente enganado”, e corrobora com uma máxima criada ainda na campanha do atual gestor e que virou mantra na administração: não falta mesmo dinheiro! Mas e a gestão? Bom, segundo o documento elaborado pela competente equipe do prefeito, com o IPTU em 2019 seria algo em torno de mais de duzentos milhões de reais entrando na conta da prefeitura, não se sabe se com a queda da arrecadação clara deste inicio de ano já na conta ou não. E com a COSIP, ou seja, a contribuição sobre a iluminação pública, mais de dezessete milhões de reais caindo na conta, que dá um montante próximo a um milhão e meio por mês com esse recurso. Com essas duas cifras em mente o contribuinte teresopolitano se questiona: por que ainda estamos no escuro e com tantos problemas estruturais pelos bairros da cidade com tanto recurso sendo arrecadado? De fato, dinheiro não falta, mas e a gestão?


O decreto, que normalmente é promulgado dentro de trinta dias após a aprovação da Lei Orçamentária Anual, aqui em Teresópolis é ilustrado no Diário Oficial desta segunda-feira, 28, com mais de cem páginas de números, índices e muitas planilhas, pouco ou quase nada executáveis, apenas como uma forma de validar a obrigação trazida pela LRP. Como já é conhecido de grande parte dos contribuintes, é através da Lei de Diretrizes Orçamentárias, aprovada pela Câmara de vereadores antes do recesso de fim de ano, que estão as metas e as prioridades no que diz respeito as despesas de capital para o exercício financeiro subsequente, ou seja, neste ano de 2019. Teoricamente, esses seriam instrumentos hábeis para que a Administração Pública elabore metas e objetivos para a aplicação do dinheiro do contribuinte com a máxima eficiência e qualidade. O problema está justamente na fase de execução deste orçamento, que compreende a realização e materialização das metas e despesas previstas na lei orçamentária.
Esse instrumento publicado ontem, a programação financeira, teria de ser entendida como o instrumento responsável pela racionalização e liberação dos recursos financeiros necessários ao custeio das despesas previstas na lei orçamentária anual, através da compatibilização entre o ritmo da realização das despesas previstas, segundo a probabilidade de arrecadação. Esse seria um importante instrumento de controle de gastos públicos, essencial para a organização da saída de recursos dos cofres públicos e prevenção de défices desnecessários, mas sem a devida fiscalização desta aplicação, acaba por se tornar inócuo. Segundo a lei que rege o segmento, o Executivo deve divulgar, a cada trinta dias, o relatório resumido da execução orçamentária e por meio desse relatório seria possível acompanhar o desempenho da receita e da despesa e verificar se os gastos autorizados estão compatíveis com a receita arrecadada. Dependendo do comportamento da receita, pode ser necessário ajustar a programação financeira e orçamentária à nova realidade, de forma a assegurar o equilíbrio fiscal.

 

Compartilhar:








ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Estudo mostra que peixe de áreas atingidas por óleo pode ser consumido

Unidades do Sesc RJ exibem filmes selecionados na 3ª Mostra Sesc de Cinema deste ano

PRF prende foragido da justiça por pensão alimentícia

Verão: TJRJ libera advogados do uso de terno e gravata nas audiências

Bolsonaro fala sobre fraudes na Bolívia e renúncia de Evo Morales

CLASSIFICADOS


        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ