ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Prefeitura insiste na venda da água e do esgoto

Data: 14/02/2020

Lei Complementar 225, que autorizava a concessão do saneamento básico, e foi cancelada pela Câmara, decisão mantida pela justiça

Wanderley Peres

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro confirmou integralmente, na última semana, quinta-feira, 6, decisão liminar que tinha declarado nulos os atos relacionados às Leis Complementares nº 221/2017, 222/2017, 223/2017 e 225/2017, chamamentos para a concessão dos serviços públicos de Iluminação, Cemitérios, Estacionamento Rotativo e Saneamento Básico. Por unanimidade, a Décima Quarta Câmara Cível cancelou também as portarias nomeando servidores para elaboração de comissões, proibindo o executivo municipal de confeccionar editais de concorrência pública, ou qualquer outro ato relacionado a licitação ou prosseguimento das mencionadas leis.

- “No que tange ao mérito, não se pode olvidar que a concessão de serviço público pressupõe autorização legislativa e licitação na modalidade concorrência, sob pena de nulidade, nos termos do artigo 99, da Lei Orgânica do ente federativo”, decidiu o TJ.

Iniciadas ao arrepio da Lei Orgânica, pelo prefeito cassado Tricano, que deixou no cargo o vice Sandro Dias para então dedicar-se às concessões, os processos de venda dos serviços de estacionamento rotativo, administração de cemitérios, manutenção da Iluminação Pública e Saneamento básico foram continuados pelo eleito suplementar Vinicius Claussen, que defendeu na Justiça, com unhas e dentes, a venda iniciada pelo prefeito que sucedeu.

Na justiça, a administração municipal arguiu preliminarmente suposta “ilegitimidade ativa” da Câmara Municipal e inexistência de interesse de agir. No mérito, sustentou a inconstitucionalidade material e formal por suposto “vício de iniciativa” da Lei Complementar Municipal nº 032/2017,  onde a câmara cancelou as quatro leis anteriores,  requerendo o acolhimento das preliminares e, no mérito, pedindo o poder de conceder bens e serviços sem licença da Câmara.

Publicada no DIÁRIO a notícia, a prefeitura enviou ameaçadora correspondência ao jornal, exigindo retratação, afirmando que não estaria proibida de vender os serviços de água e esgoto, o "saneamento básico", previsto na lei complementar 225, proibida pelo TJ, e que a licitação da concessão do serviço de água e esgoto estaria na fase de produção do edital. "Após, com o edital montado, ele será disponibilizado para consulta pública", informa, lembrando que, "por ora, não há previsão para o término do procedimento, pois ainda precisa ser enviado ao TCE/RJ e, ao final, para a Câmara de Vereadores". Além de sugerir que "água e esgoto" não é saneamento básico, a assessoria do prefeito informa, ainda, que "não existem procedimentos iniciados para a realização das concessões de estacionamento rotativo, cemitérios e iluminação pública", as demais vendas previstas nas leis complementares 221, 222 e 223/17, todas as quatro mantidas caducadas pela justiça.

No confuso pedido de direito de resposta, "em relação ao Mandado de Segurança impetrado pela Câmara Municipal de Teresópolis sobre a concessão dos serviços públicos de transporte coletivo de passageiros" (sic), deve estar querendo dizer o prefeito "concessões de serviços públicos", provavelmente, a prefeitura garante-se em decisão do juizo da comarca que não impediu a realização de audiência pública marcada para o auditório da secretaria de Educação, em julho último.

Em tom ameaçador, "sob pena de serem adotadas medidas judiciais", e afirmando que "a análise equivocada da decisão judicial, proposital ou não, causa confusão na população", como se a confusão não estivesse sendo provocada pela própria administração municipal ao fazer nota de "confundimento" em vez de esclarecimento, além de exigir a publicação do tosco texto, o prefeito exige que O DIÁRIO "se abstenha, imediatamente, de veicular matérias inverídicas, incompletas e com intuito de denegrir a imagem da Administração Municipal e causar alarde desnecessário à população". A nota, então, segue publicada,  conforme vontade do prefeito, para apreciação, “e confusão” do leitor.

 


legendas:


 

Até o Wikipedia sabe que saneamento básico refere-se aos "serviços de abastecimento de água potável e esgotamento sanitário"

 

 

Compartilhar:








ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Rio de Janeiro regulariza aplicação da segunda dose da CoronaVac

Cientistas criam testes de covid-19 com resultados em tempo recorde

Saúde diz que já distribuiu 90 milhões de doses de vacina contra covid

Sine Teresópolis ainda tem 134 vagas de emprego

PRF prende homem que transportava pássaros silvestres

CLASSIFICADOS


        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ

Desenvolvido por Agência Guppy