ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Prefeito diz que hospital privado é melhor para a gestão que um público

Data: 22/08/2019

Prefeito diz que hospital privado é melhor para a gestão que um público. Político do Livres pode ser, segundo publicação, uma referência para o Brasil sobre como tratar uma cidade como empresa

Anderson Duarte

A coluna “Saída pela Direita”, do jornalista Fábio Zanini na Folha de São Paulo, trouxe na última semana uma entrevista com o Prefeito Vinícius Claussen bastante reveladora e que expõe posicionamentos não tão explícitos no discurso do político em terras teresopolitanas. Talvez por ter uma veiculação muito direcionada, inclusive privada aos assinantes da Folha, o artigo ainda não havia produzido efeitos em nossa região, mas como sempre existem aqueles mais atentos aos assuntos pertinentes ao município, já no início desta semana, diversos prints e links com a entrevista seguiam sendo compartilhados pelas redes sociais e grupos de WhatsApp da cidade. O texto já começa com uma provocação: “É possível tratar cidade como empresa? É o que quer o prefeito de Teresópolis”, diz o artigo. Fica então a nossa pergunta: se está sendo mesmo tratada a cidade como uma empresa, quem somos nós, cidadãos teresopolitanos nesta relação, os donos, ou os empregados do prefeito? Outro ponto destaque da fala de Claussen a Zanini está na afirmação de que um Hospital privado seria muito mais benéfico para a administração de que um público e sua confirmação de que vai disputar a reeleição em 2020.
Começa o jornalista seu texto: “Se você se impressionou com o discurso de campanha de João Doria de que é um gestor, e não um político, provavelmente vai achá-lo comedido em comparação ao do prefeito de Teresópolis, Vinicius Claussen. Eleito há um ano para comandar a cidade da serra fluminense para um mandato-tampão, Claussen, 40, não tem problema em dizer com todas as letras que seu objetivo é transformar a prefeitura numa empresa”, diz o texto. Considerado o símbolo do sucesso eleitoral do grupo Livres, que ‘defende o liberalismo acima de tudo e a iniciativa privada acima de todos’, como explica o jornalista da Folha, Claussen tem seguido a cartilha deste liberalismo desmedido e entre suas marcas está a insistência na privatização de diversos serviços e o mais rapidamente possível.
Esta voracidade pela privatização da estrutura administrativa, segundo pontua o jornalista, também acaba por se contrapor a medidas tomadas neste primeiro ano de governo, quase como se fossem contraditórios entre discurso e prática. “Claussen, nesses primeiros 12 meses de governo, tomou algumas medidas que, à primeira vista, não diferem em nada de colegas Brasil afora que seguem expandido a máquina. Comprou ambulâncias, contratou médicos e até deu aumento de salário para os servidores públicos. Ele não vê contradição entre discurso e prática”, diz a entrevista. Cabe acrescentar à fala do prefeito, o fato da máquina administrativa hoje possuir em seus quadros aproximadamente o dobro de cargos comissionados e de confiança que na comparação com as gestões anteriores, sem contar o número de secretarias, que também aumentou em relação a todos os prefeitos passados.
Ainda em sua explanação ao jornalista Fábio Zanini, Claussen segue contando como suas realizações nestes primeiros meses de atuação executiva, trouxeram ao município, diversos benefícios e melhorias. De acordo com o prefeito, implantar mais austeridade e modernização nos processos internos, “... conseguiu tirar a cidade do cadastro de inadimplência de convênios e regularizar os salários de servidores públicos”, diz. Para o Chefe do Executivo teresopolitano, o amplo programa de privatizações, conhecido na era Tricano como “pacote de privatizações”, e mantido pela atual gestão quase na íntegra, seria a aplicação de uma receita de liberalismo em áreas estratégicas cm vistas na eficácia da gestão. E como disse o jornalista em seu artigo, “nem a Saúde escapa”, lembrando trecho da fala de Vinícius em que o político fala da desnecessidade de construção de um Hospital Municipal em nossa cidade. “Não vale a pena termos um hospital municipal, que custa duas vezes mais que um particular. Podemos ter parcerias com empresas e fundações, que têm foco, investem em capacitação, conseguem produtividade muito maior”, afirma o prefeito em entrevista.

 

Compartilhar:








ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Itaú vai fechar a agência da Calçada da Fama na próxima semana

Câmara não consegue notificar prefeito de pedido de CP

Fase recebe credenciamento do MEC para oferecer cursos EaD

Sistema de câmeras pode identificar vândalos que atacaram exposição

Teresópolis recebe mais uma edição do Festival Brasileiro de HQ

CLASSIFICADOS


        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ