ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

PM irá convocar mil soldados do último concurso

Data: 05/07/2018

O anúncio foi feito durante a entrega de 265 viaturas zero quilômetros para a PM do Rio, sendo que sete dessas foram destinadas para o 30º BPM, em Teresópolis - Paulo Vitor/ImprensaRJ

O interventor federal na segurança pública do estado do Rio de Janeiro, general Walter Braga Netto, disse que a Polícia Militar (PM) receberá mais mil soldados. Eles foram aprovados em um concurso público em 2014 e a chegada do reforço depende apenas de trâmites burocráticos. O anúncio foi feito durante a entrega de 265 viaturas zero quilômetros para a PM do Rio, sendo que sete dessas foram destinadas para o 30º BPM, em Teresópolis. Este segundo lote faz parte de uma compra, feita pelo governo estadual em janeiro deste ano, de 580 viaturas, que custaram R$ 37,6 milhões aos cofres estaduais, sendo 530 radiopatrulhas e 50 veículos descaracterizados. O governo não divulgou a data, mas informou que o terceiro lote de automóveis “será entregue nos próximos meses”. Ao todo, o estado investiu R$ 61,6 milhões para a compra de 750 veículos. Também foram liberados outros R$ 93 milhões para a recuperação e manutenção da frota da corporação.
Convocado pelo governo federal para ser o interventor na segurança pública do estado do Rio, o general Braga Netto tem vasta experiência. À frente do Comando Militar do Leste, convive diretamente com o problema da violência urbana desde os Jogos Olímpicos de 2016, quando era o responsável pelo evento como representante do Exército. Equipar e treinar os policiais do estado é um dos legados que o interventor pretende deixar para sociedade. Assim como um modelo de gestão que inclui a valorização do policial e das corregedorias. Ele é categórico ao dizer que a intervenção vai até 31 de dezembro, mas espera conversar com o futuro governador, caso este queira. “[A prorrogação é] completamente desnecessária. Se não, vocês vão ficar dependentes o resto da vida.”
Braga Netto garante ainda que o carioca e o fluminense irão ver "uma melhora palpável, cada vez mais, até o fim do ano". Segundo ele, já há uma mudança de postura do policial. "O policial tem de respeitar a população e a população tem de ver a polícia como uma autoridade. Hoje em dia, a palavra autoridade perdeu muito o conteúdo. O pessoal confunde autoridade com autoritarismo", diz. E completa: "O crime nunca vai acabar. O que vai acontecer é que este crime de ostentar fuzil nós vamos combater com firmeza."
“Eu fui o coordenador dos Jogos Olímpicos para o Exército. Participei de praticamente todas as operações no Rio de Janeiro. O que a gente via num crescente era a deterioração econômica do Rio. O que nós estamos fazendo na intervenção, neste primeiro momento, é uma melhoria gigantesca de gestão. Estamos conseguindo resultados, mas o recurso federal tem uma burocracia que tem de ser seguida, mesmo com dispensa de licitação. O TCU [Tribunal de Contas da União] me pautou normas que tenho de seguir. O recurso ainda não foi utilizado. O que foi dado inicialmente foi um choque de liderança e gestão que fez cair os índices. Quando começarem a chegar as aquisições, isso deve melhorar muito. A população brasileira é muito imediatista. Ela quer o resultado assim: Começou a intervenção hoje e, no dia seguinte, caíram todos os índices de criminalidade. Isso é paulatino. O Instituto de Segurança Pública [ISP] vai lançar agora os índices de junho e você vai ver que eles caíram de novo”, explicou o general em entrevista à Agência Brasil.

 

 

Compartilhar:








ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Carnaval de rua no Rio em 2021 é adiado

Governo libera entrada de estrangeiros em todos os aeroportos do país

Presidente Jair Bolsonaro está sem febre ou dor após cirurgia

Bolsonaro fará cirurgia em São Paulo nesta sexta

Copa do Brasil: Atlético-GO marca nos acréscimos e elimina Fluminense

CLASSIFICADOS


        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ

Desenvolvido por Agência Guppy