ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Montanha de lixo jogada no Paquequer

Data: 29/11/2017

Material jogado no Paquequer poderia ir para a reciclagem, ajudando assim na sobrevivência do catador e o meio ambiente - foto Marcello Medeiros

Marcello Medeiros

Há anos o Instituto Estadual do Ambiente não realiza ações em nosso principal curso d´água, sendo o principal delas o serviço de desassoreamento. Grandes bancos de areia e outros materiais são vistos em vários pontos do Paquequer, alguns causando estrangulamento no caminho da água e consequentemente aumentando os riscos de alagamentos no período de chuvas fortes. Não bastasse a inoperância do INEA e a incompetência do governo municipal em cobrar a realização de tais serviços, o teresopolitano tem contribuído para que a situação fique ainda mais crítica: Quem passou pela ponte da Calçada da Fama nesta terça-feira se assustou com mais um ato de grande desrespeito com o meio ambiente e com o próximo. Grande quantidade de lixo foi despejada em uma das margens, em trecho entre a antiga Francisco Sá e a Praça Olímpica Luís de Camões.

Aparentemente, são materiais recicláveis que haviam sido separados e deixados na Rua Manuel Madruga, provavelmente provenientes do descarte de estabelecimentos comerciais do entorno e que diariamente utilizam a via ao lado da praça para depositar o material até a passagem do caminhão da empresa que presta tal serviço para o município. Como represália a pessoa que sobrevive dando destinação correta a papel e papelão, recebendo alguns trocados pelo serviço, ou apenas ato de vandalismo, alguém jogou as caixas e outros objetos que poderiam ser reciclados dentro do Paquequer.

O material engrossa a lista de resíduos sólidos que diariamente são despejados em vias públicas e que acabam entupindo bueiros ou parando dentro do curso d´água, afetando assim espécies diversas – inclusive a nossa - ao longo do caminho do rio. O Paquequer nasce entre as mais altas montanhas da Serra dos Órgãos e, pouco depois que deixa a unidade de conservação ambiental, começa a sofrer violentamente a ação antrópica. Quando chega em Providência, onde deságua no Rio Preto, sua água nada lembra aquela pode ser consumida in natura alguns quilômetros antes. O Preto, por sua vez, deságua no Paraíba do Sul, que tem como linha final o mar em São João da Barra, próximo a Campos dos Goytacazes, na região Norte do Estado.

“O sujo falando do mal lavado”

As imagens que ilustram essa reportagem foram publicadas na página do jornal O DIÁRIO e DIÁRIO TV na rede social Facebook nesta terça-feira, gerando indignação de alguns teresopolitanos – preocupados com o seu futuro e das gerações seguintes. O leitor Dudu Pereira relatou o seguinte: “Tudo bem que a coleta do lixo não tem sido regular, mas o povo também tem que ter educação e educação vem de casa! Um povo que não tem um pingo de noção do estrago que está causando a geração futura, depois vem chorar as tragédias futuras se no passado não se importou em que lugar descartou o seu lixo”. Já Renato Rocha destacou a responsabilidade de ambas as partes envolvidas nessa história: “A culpa é do prefeito que não faz a coleta de lixo é a população é culpada pela falta de educação e não separar corretamente e jogar no rio. É dever do cidadão cobrar das autoridades competentes o recolhimento do lixo. Fica o sujo falando do mal lavado”, pontuou.

Quem passou pela ponte da Calçada da Fama nesta terça-feira se assustou com mais um ato de grande desrespeito com o meio ambiente e com nossas futuras gerações - foto Marcello Medeiros

Compartilhar:








ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Covid-19: produtos podem ser apreendidos para evitar desabastecimento

Disseminação de fake news sobre coronavírus preocupa especialistas

Campanha de vacinação contra gripe será antecipada no país

Número de casos suspeitos de coronavírus no Brasil é de 132

Juros do cheque especial ficam em 165,6% ao ano em janeiro

CLASSIFICADOS


        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ