ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Líder religioso escapa da morte na Magé-Manilha

Data: 01/09/2019

O Apóstolo Arcélio emocionou muita gente com seu testemunho de fé e certeza do poder da oração, em suas palavras

Anderson Duarte

Uma das principais lideranças religiosas de nossa região foi a mais recente vítima de um caminho hoje proibido para os cidadãos fluminenses. Na madrugada da última sexta-feira dia 23, voltando do município de Campos, onde participou de um culto, o apóstolo Arcélio Luis, do Ministério Colheita, viu-se em uma situação de guerra. Seu carro foi alvejado por dezenas de disparos de arma de fogo por bandidos e por pouco o religioso não foi ferido com gravidade e até fatalmente. Seu testemunho desperta a discussão sobre o local, que já vitimou centenas de famílias teresopolitanas e que continua representando um risco para a população e um exemplo de como o crime da corrupção é fatal para a nossa sociedade. Em entrevista ao Jornal Diário na TV, Arcélio Luis fez um apelo aos amigos da cidade para que não usem o trecho da estrada e que cobrem as autoridades por mudanças e intervenções no espaço.


Batizada como a “Rodovia da Morte” por moradores do entorno e usuários, a BR-493, em seu trecho entre Manilha e Santa Guilhermina (Magé-Itaboraí), é hoje um caminho proibido para muito cidadão, inclusive teresopolitanos que querem chegar a Região dos Lagos e municípios como São Gonçalo e Niterói. Mesmo com centenas de milhares de reais gastos, a obra foi completamente abandonada e os ataques de bandidos transformaram a estrada em uma verdadeira “terra de ninguém”. O local também é conhecido como “Corredor Polonês” por quem precisa atravessar diariamente a rodovia, e acabou ficando proibido para muitos profissionais que temem se tornar mais uma vítima fatal da estrada, infelizmente o que é rotineiro nas redondezas. Traficantes trocam tiros com policiais nas comunidades próximas, acidentes são provocados pelas péssimas condições de conservação da rodovia, e criminosos de oportunidade aproveitam a necessária baixa velocidade para atacar a tiros muitos que ousam cruzar a BR-493 e os relatos de assaltos e acidentes fatais ilustram as redes sociais diariamente.

- Famílias teresopolitanas em risco na Rodovia 

O Apóstolo Arcélio emocionou muita gente com seu testemunho de fé e certeza do poder da oração, em suas palavras “não era para eu estar aqui contando essa história”. Mas o líder religioso fez questão de compartilhar com a população sua experiência, primeiro para pedir que as pessoas não usem a rodovia, e que acreditem no poder da oração e da fé. Como contado pelo Apóstolo em suas redes sociais, um Fiat Uno branco, em determinado trecho da rodovia, ultrapassou o veiculo que seguia o religioso e um pouco a frente parou no meio da pista e os bandidos já saíram disparando contra o carro. Surpreso, e ainda distante dos agressores, Arcélio freou o veículo e fugiu em marcha ré, batendo em outro carro, e sob os tiros avançou em direção a Manilha, em busca de socorro policial.


"Freei o carro bruscamente e dei marcha ré batendo fortemente contra o carro do Claudio Branco, que vinha atrás com Vinícius e Pitter. A seguir continuei de ré enquanto um dos bandidos corria em minha direção atirando. Meu carro bateu forte de ré contra uma pilastra dessas que estão ali há anos para a reforma da pista. De frente fugimos dos bandidos até estarmos de volta em manilha a procura de uma viatura policial. Escapamos ilesos, e nenhum tiro nos atingiu. Cheguei em casa as 6 horas da manhã e meia hora depois estava comemorando o aniversário do meu caçula, Rafael, 10 anos de idade, data que será também de meu novo aniversário, de quando Deus me concedeu a graça do livramento", relatou, alertando sobre o perigo que está aquele trecho da rodovia, que fica próxima a áreas violentas controladas pelo tráfico de drogas.
Outra família de Teresópolis, que seguia para um casamento em Cabo Frio, também escapou por pouco da morte na BR-493. Primeiro, eles levaram uma fechada de uma carreta e saíram da pista próximo ao acesso ao Vale dos Cedrinhos. Foi necessário solicitar ajuda de um amigo para que o veículo danificado fosse rebocado para Teresópolis e um segundo carro emprestado, um Honda Civic, fosse utilizado para continuar a viagem, por volta das 3h. No momento do “resgate”, os teresopolitanos foram abordados pela polícia e alertados que “aquela região estava muito perigosa”. Mal sabiam eles que, minutos depois, seriam vítimas da violência. Em direção a Região dos Lagos, foram emparelhados por um Cross Fox de cor amarela e, ao perceberem que seriam assaltados, pararam e tentaram fuga em marcha a ré. “Quando dei ré eles mandaram tiro. Consegui voltar na contramão e dei sorte que eles não foram atrás. Abandonamos o carro e nos escondemos no mato. Liguei para o amigo que havia me ajudado e ele acionou a polícia, que me deu apoio para trocar o pneu atingido pelo tiro e orientou que seguisse sentido Cabo Frio. Porém, pouco tempo depois o carro ferveu e percebi que outro tiro havia atingido o radiador e o condensador. Tive que parar em oficina para consertar e, no final das contas, nem conseguimos chegar ao casamento”, relata o Técnico em Refrigeração Carlos Eduardo Aguiar.

- Rodovia da Morte e um símbolo dos efeitos mortais da corrupção

De acordo com a Polícia Militar, no primeiro semestre de 2019 o batalhão da região de São Gonçalo que compreende 80% da extensão do trecho Niterói-Manilha registrou 12% e 20%, respectivamente, do total de roubos de veículos e de cargas em território fluminense. O município conta com menos de um policial para cada mil habitantes, índice muito inferior ao previsto pela Organização das Nações Unidas. Os pouco mais de trinta quilômetros da Magé-Manilha tiveram as obras de duplicação iniciadas em agosto de 2014 e tinham previsão de entrega para julho de 2017, entretanto, apenas alguns meses após iniciada, a intervenção foi totalmente abandonada pelo Governo Federal. O consórcio formado pelas Construtoras Encalso, Sobrenco e Ctsa era o responsável pelo empreendimento, mas a exemplo de inúmeros estados brasileiros, o abandono dos pagamentos para essas empreiteiras por parte da União, gerou a falências de muitas destas empresas e grupos, o que culminou na paralisação das obras por todo o país. 
Em 2017 um respiro, e algumas liberações de verbas propiciaram a retomada da obra de duplicação, o que não durou muito. O movimento aumentou muito em virtude do fechamento da Ponte Rio-Niterói para transporte de cargas, o que fez com que a BR-493 passasse a figurar como o principal acesso da Região Metropolitana e do Sul do Estado, às regiões do Norte Fluminense e grande parte do Nordeste do País. O tráfego intensificou os problemas estruturais da rodovia e evidenciou os aspectos calamitosos do local, tais sejam: a falta de acostamento em grande parte do trecho em virtude das intervenções; o piso absolutamente destruído pelo tráfego intenso e falta de manutenção; as travessias urbanas de pedestres e veículos; os riscos impostos pelas ultrapassagens; a baixa velocidade média que virou um convite aos crimes de oportunidade e a atuação de grupos criminosos pela região toda. Em recente fala sobre a rodovia, o Prefeito de Magé Rafael Tubarão, disse que a classe política do estado precisa abraçar essa causa: “É uma causa de todos! O protagonismo é de uma rodovia que mata, compromete e desestabiliza o avanço de toda a região, com custo caro para a população que paga a conta com vidas ceifadas, tormento e desrespeito das autoridades”, explica o Executivo.

- Alternativas para quem não quer se arriscar

Em meados de novembro do ano passado, O Diário publicou reportagem com o título “Qual o melhor trajeto para se chegar a Região dos Lagos?”, tendo como objetivo mostrar outras rotas para que os teresopolitanos pudessem aproveitar o Verão em cidades como Rio das Ostras e Arraial do Cabo, por exemplo, com menos riscos de se tornarem vítimas da violência ao cruzarem o mais tradicional caminho até essas regiões, a Magé-Manilha. Como a situação continua a mesma, ou seja, o extremo risco na rodovia federal que garante acesso à BR-101 continua acentuado, a rodovia permanece praticamente proibida para os fluminenses. Quem precisa ir para Niterói ou São Gonçalo, o melhor mesmo é seguir para o Rio de Janeiro e pela Ponte Rio-Niterói acessar a região, mas para chegar a Rio das Ostras e outros municípios populares no período de Verão principalmente é preciso também buscar alternativas. Um deles é por Cachoeiras de Macacu, onde a distância passa para 205 quilômetros, também percorridos em aproximadamente três horas. É preciso descer a Serra até Parada Modelo, em Guapimirim, pegando então a bonita RJ-122, rodovia com asfalto moderno e excelente vista para as cadeias de montanhas da Serra dos Órgãos e Parque Estadual dos Três Picos. Nesse caminho, são duas possibilidades. Seguir por 35 quilômetros até as proximidades de uma cervejaria e depois pegar a direita, cruzando a RJ-116 e saindo na BR-101 em Tanguá, ou continuar pela Rio-Friburgo até o encontro com a RJ-142, já depois de Lumiar, chegando na 101 nas proximidades de Casemiro.
Outro caminho muito procurado pelos teresopolitanos preocupados com a violência é o que atravessa a Região Serrana, por Nova Friburgo. São 68 quilômetros até o município vizinho, via RJ-130. Depois é preciso pegar a RJ-142, em direção a Lumiar, cruzando esse pequeno e convidativo povoado. Na ida, muita descida até chegar a Casemiro de Abreu, pegando um pequeno trecho na BR-101 para acessar depois Rio das Ostras. Nessa opção, são 179 quilômetros percorridos no mesmo tempo das outras com maior distância, visto que é preciso cruzar trechos urbanos.

 

Compartilhar:








ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Secretaria de Trabalho e Renda divulga 642 oportunidades de emprego no Rio

Sine divulga 161 vagas de emprego

Detran realiza novo mutirão de atendimento

Estudantes premiadas em concurso de redação do Rotary

Saúde lança campanha de prevenção e vacinação contra Covid-19

CLASSIFICADOS


        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ

Desenvolvido por Agência Guppy