ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Ladrão tenta invadir templo católico

Data: 25/10/2017

Além do papel religioso, a Capela do Divino Espírito Santo oferece um espaço para velórios e um bazar diariamente, entre outros serviços para a comunidade - Foto Marcello Medeiros

Marcello Medeiros

Depois das ocorrências de tráfico de drogas, o crime de furto é um dos que tem maior número de registros na 110ª Delegacia de Polícia. E, a cada dia, os bandidos têm mostrado mais ousadia e menos respeito com o próximo. Um dos exemplos disso foi o ataque a Capela do Divino Espírito Santo, no bairro da Coréia. No último fim de semana, um ladrão usou uma alavanca para tentar retirar uma das grades de proteção e posteriormente quebrar uma janela e acessar o templo religioso. Apesar de causar grandes danos no sistema de proteção e quebrar um dos vidros, o bandido não conseguiu invadir o local. Ele fugiu quando um dos vizinhos acendeu uma luz ao ouvir o barulho da ação e suspeitar de algo.
Nesta terça-feira, conversamos com o Padre Adilson Assumpção, pároco da Igreja de Santa Rita de Cássia, no Meudom, responsável pela capelinha.  Ele relatou com tristeza mais um ataque ao templo e lembrou que, mesmo se tivesse conseguido invadi-lo, o bandido provavelmente sairia de mãos vazias porque não existe nada de valor no local. O padre lembrou ainda da importância da Capela do Divino Espírito Santo para a comunidade da Coréia. “Não tem nada, nada de valor lá dentro. É uma capela simples, em um lugar simples. Por isso não sei o que o pessoal pensa em encontrar lá dentro, se acha que é um local rico, que tem ouro – quem dera que tivesse – então não sei o que leva o pessoal a ter essa atitude. Esse é um local que só traz benefício para as pessoas, que oferece um espaço para ser utilizado como capela mortuária, que permite que os mortos da comunidade sejam velados aqui, é um local onde fazemos um bazar permanente vendendo roupas muito baratas, ajudando assim o pessoal... O seja, o que se faz aqui é somente tentar ajudar a comunidade, além de tentar passar uma formação humana para o povo”, enfatizou.
Padre Adilson reforçou ainda o convite para que o ladrão visite a Capela do Divino Espírito Santo, mas no horário das celebrações religiosas. “Se é para rezar, para pedir o bem, para fazer o bem, qualquer coisa nesse tipo, que venha nos horários de celebração, nos horários que está aberta. Se não estiver aberta, só pedir a zeladora que ela abre também, mas de madrugada não é hora de ninguém vir ao templo rezar”, atenta.
Essa foi quarta tentativa de invasão somente nos últimos três anos. O gradeamento da porta principal e janelas aconteceu justamente por conta da insistência dos ladrões. Também segundo apurado na Coréia nesta terça-feira, recentemente ladrões deram prejuízo para o município e estudantes da região ao invadir e furtar a escolinha da comunidade.

Quem compra também é bandido
Como citado no início da reportagem, o número de furtos é grande em Teresópolis. E para onde vão parar produtos de todo o tipo retirados de residências e estabelecimentos comerciais, por exemplo? Os ladrões utilizam para mobiliar ou decorar suas residências? Não. Geralmente, tais criminosos revendem esses produtos com preço bem abaixo do mercado. E, mesmo sendo implícito o ato ilícito, muitas pessoas acham estar levando vantagem ao adquirir uma televisão que custa R$ 2 mil por R$ 100... Na verdade, quem comete tal ato é tão bandido quanto aquele que se deu ao trabalho de tomar o bem de outra pessoa. Aliás, a pena prevista no Código Penal Brasileiro para os receptadores é a mesma dos ladrões, de três anos de cadeia.
E ainda se baseando no que prevê a Lei, os que compram produtos de crime ainda podem terminar atrás das grades primeiro do que aqueles que praticaram o furto ou roubo. Caso o ladrão seja identificado fora do período de flagrante, prazo que depende do andamento da ocorrência, mas geralmente é curto, vai continuar em liberdade até julgamento. Já os que forem flagrados portando qualquer objeto de origem ilícita é levado imediatamente para o xadrez da 110ª Delegacia de Polícia, sendo posteriormente encaminhado para unidade prisional da Polinter, no Rio de Janeiro.
Outro ponto importante a ser observado é que a própria pessoa que incentivou a criminalidade comprando um produto de roubo ou furto amanhã pode ser vítima do mesmo ladrão. É um ciclo criminoso onde todos acabam perdendo, não somente a vítima daqueles que insistem em “ganhar a vida” sem precisar trabalhar.

Compartilhar:








ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Educação: Teresópolis ganha 255 novos `escritores e ilustradores´

Prefeitura de Teresópolis diz que "extras" pagos a Gabriel Palatinic não são dinheiro público

Granja Comary recebe técnicos famosos para curso da CBF

STJ manda soltar Luiz Fernando Pezão, preso há um ano

Polícia Militar reforça segurança para compras de Natal

CLASSIFICADOS


        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ