ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Grupos para negociar livros didáticos usados ajudam a cortar gastos

Data: 08/01/2020

Rosana de Moraes destaca que é importante ter cuidado com a conservação dos livros para conseguir fazer um bom negócio futuramente

As redes sociais estão ajudando muitas pessoas a economizarem ao adquirir o material escolar através de grupos que foram criados para vendas e trocas de livros. Para conseguir diminuir o impacto de mais esse gasto inevitável do começo do ano, junto a diversos impostos, tem sido uma opção muito vantajosa a negociação de livros didáticos e paradidáticos usados. Com esse sistema de oferta e procura nos grupos, a economia é muito grande e em alguns casos chega a até 80%. 
Em uma simples pesquisa no Facebook é fácil encontrar grupos criados exclusivamente para facilitar a divulgação do interesse nos livros escolares, assim como ocorrem nos grupos de pais e responsáveis das escolas. Todos fazem a roda girar para que muita gente consiga ter um alívio no orçamento. 
Assim, nesta época de começo de ano que a busca por materiais e livros que já tiveram um dono tem o seu auge e o número de interessados é cada vez maior. As escolas não costumam proporcionar a criação desses grupos e as iniciativas são quase todas feitas por estudantes ou seus responsáveis.
Esse caminho alternativo para conseguir cumprir a lista exigida pelo colégio é benéfico tanto para quem precisa adquirir uma grande quantidade de livros quanto para quem quer passar adiante os que foram usados e ainda contar com um valor para poder abater em outras compras.
A comerciária Cristiane Pascoal já participa desses grupos há alguns anos e conta que sempre consegue ótimas oportunidades para adquirir os livros para sua filha: “É um caminho muito bom devido ao preço dos livros este ano, eu vi que estão mais caros do que em anos anteriores. Eu entrei nesses grupos através de dicas e já no primeiro ano foi ótimo porque eu consegui vários livros. Com o passar das séries vai ficando mais difícil porque eles vão trocando os livros, pedem edições novas e aí não da pra fazer essa troca, mas é um caminho maravilhoso. Não abro mão disso porque é muito vantajoso”, disse. 
Quem também é muito ativa nestes grupos é Rosana de Moraes, que também revelou que consegue uma grande economia: “Eu descobri esses grupos por indicação, até acho que Teresópolis deveria fazer mais esse movimento porque a gente acaba procurando em locais fora daqui e fica complicado por causa de frete e temos que fazer uma manobra pra trazer o livro e quando é daqui da cidade fica muito mais fácil. Tem alguns colégios que tem um grupo específico, mas gostaria que outros grupos pudessem ser formados porque é uma economia muito grande.  Seu eu fosse comprar só livros novos, teria gasto uns 3 mil reais, mas consegui economizar 2 mil reais, paguei por tudo apenas mil reais”. 
Os pais de alunos interagem em utilizando as redes sociais e os aplicativos de mensagens para achar as obras solicitadas para o ano pagando menos. Mas nem sempre o objetivo é alcançado por completo e a busca tem que continuar. O importante é ter a paciência para negociar bem.
“Hoje em dia, um livro está na faixa de 180 a 200 reais e ontem mesmo eu consegui vender um da minha filha e cobrei bem barato porque tenho muitos livros em casa e não sei qual destino dar. Eu cobrei 30 reais, então a pessoa lucrou muito porque o livro custa cerca de 150 reais”, explicou Cristiane.
Uma grande preocupação dos pais é quanto à qualidade do que está sendo ofertado na internet e por isso é importante que os estudantes já tenham o cuidado em manter os livros bem conservados: “Uma coisa que eu fico muito preocupada que este ano eu não me dei bem é a qualidade dos livros que são vendidos pra gente. Eu comprei um livro sem verificar antes o estado dele, minha filha que foi buscar e quando fui ver estava faltando folhas, estava todo grifado com caneta marca-texto. Tem que prestar bastante atenção na hora de comprar para ver a qualidade se realmente vale a pena”, disse Cristiane.
“O conselho para o pessoal é manter os livros em bom estado porque fica muito mais fácil de você passar adiante por um preço interessante”, confirma Rosana.

 

Compartilhar:








ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Prefeitura do Rio libera público nos estádios com metade da ocupação

Fiocruz avalia efetividade da CoronaVac, AstraZeneca e Pfizer

Covid-19: número de casos e óbitos tem maior queda em 2021

"Terê sem Led": Escuridão total nos fundos da prefeitura

Novo coreto na Praça da Matriz de Santa Teresa

CLASSIFICADOS


        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ

Desenvolvido por Agência Guppy