ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Frota afirma que Carlos Bolsonaro comanda "milícia virtual" do governo

Data: 01/11/2019

O depoimento de Frota foi dado à comissão parlamentar mista de inquérito que investiga notícias falsas nas redes sociais e assédio virtual, a CPI Mista das Fake News - Roque de Sá/Agência Senado

O deputado Alexandre Frota (PSDB-SP) disse nesta quarta-feira (30) que o Palácio do Planalto emprega três assessores responsáveis por uma “milícia virtual” que opera campanhas de ataques nas redes sociais contra adversários e dissidentes do governo. O coordenador das atividades seria Carlos Bolsonaro, filho do presidente da República, Jair Bolsonaro. O depoimento de Frota foi dado à comissão parlamentar mista de inquérito que investiga notícias falsas nas redes sociais e assédio virtual, a CPI Mista das Fake news. O deputado citou como membros do grupo os servidores Tercio Arnaud Tomaz, José Matheus Salles Gomes e Mateus Matos Diniz. Os três estão lotados na Presidência da República, em cargos comissionados, desde janeiro. Eles já foram convocados para prestarem depoimento à CPI. - Eu sei tudo o que eu vi, vivi e ouvi. A rede de intrigas de Bolsonaro produz material em escala atacando quem estiver na frente ou venha a discordar. Ficou claro que o Palácio do Planalto virou um porto seguro de terroristas digitais. Fui o primeiro a denunciar, e por isso fui expulso do PSL - disse o deputado.
Frota relatou que os três servidores trabalharam na campanha presidencial de Bolsonaro operando “redes de ataques” e agora tiveram a tarefa “oficializada” com dinheiro público, dando continuidade a ela dentro do governo. O deputado afirmou que já presenciou o grupo reunido com Carlos Bolsonaro e o presidente Jair Bolsonaro no Planalto. O modus operandi dessas “milícias”, segundo explicou Frota, usa contas falsas em redes sociais, disparos automatizados e ataques combinados. Os participantes da rede se reúnem em fóruns ou aplicativos de mensagens, escolhem alvos e elaboram conteúdos específicos, que podem ser imagens, vídeos, notícias falsas ou hashtags. O material chega às redes de forma sincronizada e é amplificado por usuários reais e perfis mecanizados. Empresas de marketing digital também atuariam tanto na produção quanto na divulgação.

Núcleos
Além do grupo do Planalto, Frota apontou outros dois núcleos que atuariam com o mesmo método e com os mesmos objetivos: um deles coordenado pelo blogueiro Allan dos Santos, responsável pelo portal Terça Livre, a partir de uma residência em Brasília (DF); e outro lotado em um gabinete parlamentar da Câmara dos Deputados. Apesar de usar o termo “milícias” para se referir aos grupos, Frota destacou que não pode fazer nenhuma conexão dessas atividades com as organizações paramilitares que atuam em centros urbanos. Perguntado sobre a compra de disparos em massa de mensagens, ele também disse não conhecer detalhes sobre o financiamento desses serviços.
O deputado entregou à CPI uma coletânea de ataques de perfis apoiadores de Bolsonaro a membros do governo, como o vice-presidente Hamilton Mourão e o ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência Carlos Alberto dos Santos Cruz. Segundo ele, os exemplos ilustram a orquestração de “linchamentos”  virtuais e mostram a conivência do presidente com as atividades. Durante a audiência, Frota teve um embate com o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ), líder do PSL e também filho de Jair Bolsonaro. Eduardo disse que Frota só apresentou “baboseiras e ilações” à CPI. Também afirmou que, durante a campanha eleitoral, Frota “mendigava” a companhia do pai e se mostrou mais “promíscuo” ao mudar de atitude do que quando atuava em filmes pornográficos. Em resposta, Frota chamou Eduardo de “mimado”, “nenenzinho” e “frouxo”, e disse que o filho de Bolsonaro assistia e gostava de seus filmes.

 

Compartilhar:








ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Dívidas do Simples poderão ser pagas ou renegociadas até 31 de março

Mapa de Risco da Covid-19: estado do Rio encontra-se em bandeira laranja

Belém adia volta presencial às aulas na rede pública de ensino

Rio registra alta de 313% em internações e 172% em óbitos por covid-19

Rio e São Paulo adiam desfile de carnaval para feriado de Tiradentes

CLASSIFICADOS


        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ

Desenvolvido por Agência Guppy