ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Ferramenta ajuda no controle do uso de agrotóxicos no estado

Data: 14/01/2020

Seguindo uma regulamentação do Ministério da Agricultura, todos os produtores de vegetais frescos do estado do Rio devem utilizar a rastreabilidade em seus produtos

No dia 11 de janeiro é lembrado o Dia do Controle da Poluição por Agrotóxicos. Esta data serve para conscientizar sobre o uso indiscriminado do produto e os problemas causados ao meio ambiente e à saúde humana. Tanto que na agricultura, não existe nada mais regulamentado do que o agrotóxico, a fiscalização é feita por leis estaduais e federais, decretos e normas.  No Rio de Janeiro, uma importante ferramenta auxilia nessa ação. Implantado em 2017 e desenvolvido pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento (Seappa), o Sistema de Integração Agropecuária (SIAPEC) possibilita o maior controle do uso de agrotóxicos em todo o Estado. – O controle de agrotóxicos é algo feito com muita seriedade no estado do Rio de Janeiro. Nesta plataforma digital reunimos dados sobre a comercialização e uso destes produtos em um único banco de dados.  Além disso, estamos auxiliando com o suporte da Emater os produtores na implantação da rastreabilidade, a nova norma que vai ajudar ainda mais nesse controle – disse Marcelo Queiroz, secretário de Estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento.
O SIAPEC realiza todo o monitoramento de controle de entrada de agrotóxicos no estado, até o seu destino final da embalagem. Por isso, todo o trabalho de aquisição desses defensivos só é permitido nas culturas recomendadas. Esse também é o grande foco da rastreabilidade dos produtos, respeitar a dose e intervalo de carência entre a última aplicação e colheita. - Esta ferramenta reúne informações sobre os produtos permitidos no Rio de Janeiro, registros dos fabricantes, receitas agronômicas e relatórios gerenciais, permitindo otimizar os recursos para as ações de fiscalização - disse Leonardo Vicente da Silva, engenheiro agrônomo da Seappa. Outras importantes formas de controle são o Registro Federal, feito pelo Ministério da Agricultura, com autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e do Ibama e o Cadastro Estadual, feito pela Secretaria de Agricultura.

Rastreabilidade 
Esse sistema é usado para monitorar e realizar o controle de resíduos de agrotóxicos na produção de vegetais frescos. Esses alimentos deverão fornecer informações padronizadas para identificar o produtor. Esse modelo visa garantir a qualidade e a segurança desses produtos para o consumidor e já é adotado em outros estados do país. Seguindo uma regulamentação do Ministério da Agricultura, todos os produtores de vegetais frescos do estado do Rio deverão utilizar a rastreabilidade em seus produtos e para auxiliar nessa adequação, a Seappa vem realizando reuniões, parcerias e apoio técnico aos donos de lavouras do Estado.

Alternativas para minimizar o uso de agrotóxicos
- Uso de material geneticamente resistente;
- Manejo integrado de pragas;
- Policultivo;
- Rotação (plantação de diferentes culturas na mesma área);
- Consórcio de culturas (duas ou mais espécies com diferentes características cultivadas no mesmo local compartilhando os recursos);
- Criação de corredores ecológicos;
- Adubação verde;
- Controle biológico;
- Emprego de plantas companheiras e repelentes; 
- Uso de cercas vivas ou cordões de contorno.

 

Compartilhar:








ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Helicóptero que caiu com Bryant tinha nove pessoas a bordo

Governo do Estado recebe donativos para vítimas de chuvas no Norte e Noroeste

Witzel anuncia descentralização de R$ 23 milhões para municípios do Norte e Noroeste

Bolsonaro vê dificuldades na aprovação de reforma tributária no Brasil

Pequenos negócios tem até o dia 31 para aderir ao Simples Nacional

CLASSIFICADOS


        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ