ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Febre Amarela: Mais de 6,6 milhões de doses distribuídas

Data: 11/07/2017

 Com o objetivo de garantir a proteção da população fluminense, a Secretaria de Saúde orienta os municípios a intensificarem ações de vacinação, para convocar a população fluminense aos postos de saúde, para se vacinar contra a febre amarela. Desde o início do ano, o Estado vem adotando medidas preventivas e, antes mesmo de registrar os primeiros casos no território fluminense, solicitou ao governo federal a inclusão do estado na área de recomendação permanente de imunização contra a doença. No último sábado, os 92 municípios se mobilizaram para o Dia D de vacinação da campanha. Mais de 6,6 milhões de doses já foram distribuídas.

– O Dia D foi apenas o início desta fase da campanha, em que precisamos mostrar à população que este é o melhor momento para se vacinar contra a febre amarela. A imunização é a melhor forma de se proteger. Vacinar-se é mais do que uma escolha individual, é também uma atitude necessária para a prevenção da saúde de toda a nossa sociedade. Quanto mais pessoas forem imunizadas, mais difícil será a propagação do vírus no nosso território. Graças às ações que estamos adotando desde o início do ano, temos boa cobertura em áreas consideradas mais vulneráveis, como as regiões de mata e zonas rurais. Porém, é preciso avançar na cobertura vacinal nas demais áreas – reforçou o secretário de Saúde, Luiz Antonio Teixeira Jr.

Risco não pode ser descartado

Estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em parceria com o Instituto Pasteur, da França, envolveu o cenário de três cidades brasileiras: Rio de Janeiro, Goiânia e Manaus. De acordo com a pesquisa, a capital fluminense é a que apresenta maior potencial de disseminação do vírus em área urbana. Isso porque as pessoas podem se infectar no ambiente silvestre e, ao voltarem à cidade, podem ser picadas pelo Aedes aegypti, que é o principal vetor da forma urbana da febre amarela. Desta forma, tem início o ciclo urbano da doença.

– O risco é real, apesar de não termos, até o momento, registros de que isso já possa ser ocorrido. Justamente por isso, devem ser tomadas medidas preventivas e, entre elas, a principal é a vacinação. Outra medida essencial é a constante eliminação de possíveis focos do mosquito Aedes aegypti – disse o subsecretário de Vigilância em Saúde, Alexandre Chieppe.

#TEMQUEVACINAR

Entre os flavivírus que circulam no Brasil atualmente, como a dengue, zika e chikungunya, o da febre amarela é o único para o qual já existe uma vacina. Como as outras doenças citadas, a febre amarela é uma doença cíclica, que tem período de transmissão crítico no verão e incidência reduzida no inverno. Isso faz destes meses, quando a temperatura é mais baixa e o volume de chuva menor, o momento ideal para a vacinação e o combate aos possíveis focos do mosquito. 

Campanha

Em todo o estado, a estimativa é de que pelo menos 5 milhões de pessoas já tenham sido vacinas neste ano, além de 1 milhão de pessoas que já se vacinaram anteriormente. A expectativa é vacinar, entre julho e dezembro, entre 5 e 6 milhões de pessoas, visando o público-alvo estimado em 12 milhões de pessoas em todo o Rio de Janeiro, até o fim de 2017.

 

Compartilhar:






ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Estácio promove o "Aulão Enem" nas unidades da Região Serrana

TCE encontra irregularidades na merenda escolar em Teresópolis

PRF multa mais de 60 por ultrapassagem proibida

Prefeitura reinaugura Praça de Parada Ideal

CCJ da Alerj vota pela soltura de deputados presos na Lava Jato

CLASSIFICADOS


        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ