ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Estudo alerta para aumento de internações de idosos por SRAG

Data: 04/08/2021

Fiocruz

Regina Castro (CCS/Fiocruz)
Ainda em fase de conclusão, um estudo da Fiocruz, divulgado nesta terça-feira (3/8), apresenta um aumento do número de hospitalizações de idosos com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG por Covid-19) no Estado do Rio de Janeiro. A elevação do número de casos ocorre após cerca de quatro meses mostrando queda. A análise indica que, ainda assim, as faixas de 60-69 e 70-79 anos continuam em uma situação bem melhor do que a apresentada em picos anteriores. A preocupação maior é com a população de 80 anos ou mais.

O estudo alerta também que a população de crianças de 0 a 9 anos encontram-se no pior momento. Aponta ainda que a faixa de 30 a 39 anos, apesar de ter registrado uma melhora, esta em uma situação mais grave do que no pico do final do ano passado. A investigação é do grupo de pesquisa para a Vigilância Epidemiológica da Fiocruz (Mave/Fiocruz) e do Observatório Covid-19. As projeções são realizadas com base no Sistema de Informações de Vigilância Epidemiológica da Fiocruz (Sivep-Gripe), do Ministério da Saúde.

No contexto geral, os dados sinalizam ainda que o cenário segue muito grave. A tenção encontra-se agora também na população com boa cobertura vacinal mas cuja efetividade é menor, que é a de idosos com 80 anos os mais. Nessa faixa etária, somam-se alguns fatores agravantes. Entre eles, estão a transmissão comunitária ainda elevada, menor efetividade, maior tempo desde a segunda dose e possível efeito de perda de imunidade (imunossenescência) por conta da idade. 

Aumento de casos entre crianças e jovens

E o que explica o aumento do número de casos entre crianças e jovens? Segundo o pesquisador Leonardo Bastos, do Programa de Processos de Dados (Procc/Fiocruz), na população infantil, a causa pode ser efeito da chamada “infecção cruzada”. “Ou seja, o motivo da internação não é necessariamente a Covid-19. Pode ser uma complicação respiratória por outro fator, mas com infecção cruzada gerando teste positivo para Sars-CoV-2. Requer um acompanhamento mais de perto, com testagem também dos demais vírus respiratórios para identificação do que possa estar ocorrendo. Por conta da alta demanda nos laboratórios, tem-se testado primeiro para Covid-19 e, dando positivo, não testam para outros vírus”, explica o pesquisador.

Esse procedimento pode ter como consequência o fato de que às internações por outros vírus respiratórios ficam “na sombra da Covid”, ou seja, que as demais doenças que levam a complicações respiratórias não sejam diagnosticadas. 

Já é de conhecimento científico, por exemplo, que o Vírus Sincicial (VSR), que pode causar problemas graves (com necessidade de internação) em bebês crianças pequenas, está com circulação relevante em todo o país. “Mas no Rio de Janeiro não sabemos como está a co-detecção por conta dessa logística que privilegia o teste de Covid-19. Esta ocorre por motivos compreensíveis, mas que acabam não testando os demais vírus quando o diagnostico é positivo para Covid-19”, observa Bastos.

Compartilhar:








ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Vulcão nas Ilhas Canárias poderia provocar tsunami no Brasil

Covid-19: mais 2,2 milhões de doses da Pfizer chegam a Viracopos

Ator Luis Gustavo morre aos 87 anos

ONS informa que "apagão" não tem relação com crise hídrica

Tribunal de Contas do Estado aponta para rombo financeiro na prefeitura

CLASSIFICADOS


        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ

Desenvolvido por Agência Guppy