ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Descarte irregular de lixo em local de visitação turística

Data: 13/09/2018

Quem procura o Subaio, local de grande visitação turística, se depara com mais um ato criminoso contra o meio ambiente - Marcello Medeiros

Marcello Medeiros

O problema de descarte irregular de resíduos sólidos é cada vez mais grave. Apesar dos grandes problemas ambientais e sociais enfrentados em Teresópolis por conta dos atos criminosos e desrespeitosos, e mesmo com a facilidade de acesso à informação nos dias de hoje, continua sendo comum pessoas acharem que quando algo não lhes interessa mais pode ser jogado em qualquer lugar – mesmo que esse local seja uma área de proteção ambiental. Um dos exemplos dessa crescente e preocupante situação acontece na localidade de Canoas, em um dos acessos ao rico e muito procurado turisticamente Vale do Subaio, onde existem várias opções de cachoeira e banhos de rio em uma área que fica nos limites do Parque Estadual dos Três Picos.
No final da estrada e consequentemente início da trilha, provavelmente algum morador da região, devido à distância e dificuldade de acesso, descarregou restos de material de construção, telhas, um fogão velho e outros objetos sem se preocupar com prejuízo para fauna, flora e turismo local. Na localidade de Canoas existem algumas pousadas, sendo o roteiro visitado ainda por ciclistas e caminhantes e outros interessados nos atrativos do Subaio, já na região de Cachoeiras de Macacu.
A Lei 9605/98, Seção II, dos Crimes contra a Flora, prevê punições para quem comete esse tipo de crime. São elas: Art. 38. Destruir ou danificar floresta considerada de preservação permanente, mesmo que em formação, ou utilizá-la com infringência das normas de proteção. Pena – detenção, de um a três anos, ou multa, ou ambas as penas cumulativamente. Parágrafo único. Se o crime for culposo, a pena será reduzida à metade.
Art. 38-A. Destruir ou danificar vegetação primária ou secundária, em estágio avançado ou médio de regeneração, do Bioma Mata Atlântica, ou utilizá-la com infringência das normas de proteção: (Incluído pela Lei nº 11.428, de 2006). Pena – detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos, ou multa, ou ambas as penas cumulativamente. (Incluído pela Lei nº 11.428, de 2006). Parágrafo único. Se o crime for culposo, a pena será reduzida à metade. (Incluído pela Lei nº11.428, de 2006). Art. 39. Cortar árvores em floresta considerada de preservação permanente, sem permissão da autoridade competente. Pena – detenção, de um a três anos, ou multa, ou ambas as penas cumulativamente. 

População deve denunciar
Para reclamar a situação ao poder público não é necessário informar seus dados. Basta ligar para a Secretaria Municipal de Ambiente (2742-7763), Secretaria de Posturas (2742-8445) ou Ouvidoria Municipal, pelo telefone 0800 282 5074. Também segundo a Prefeitura, para quem joga lixo nesses terrenos ou em via pública a multa equivale a R$ 1.000,00 e pode dobrar em caso de reincidência e a fiscalização é feita pela a equipe do Controle Urbano. Além disso, os donos dos terrenos também são responsáveis pela preservação do seu patrimônio e são obrigados a cercar e murar, ficando sujeito às penalidades da lei, que no caso são 500 UFIR. 

 

 

Compartilhar:






ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Jovens vão auxiliar a Guarda Municipal usando bicicletas

Dodge diz ao Supremo que Lula não pode conceder entrevistas na prisão

Campanha para descarte correto de medicamentos

Campanha de renegociação de dívidas continua na PMT

Posto de Saúde de Araras recebe ação do Outubro Rosa

        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ