ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Covid-19: Morte de professora preocupa outros profissionais da área

Data: 05/03/2021

Thaynan Pereira tinha 34 anos e trabalhava em uma creche-escola da rede particular

Mais uma vítima das complicações da Covid-19, a professora Thaynan Pereira da Silva, 34, foi sepultada no Cemitério Municipal Carlinda Berlim, o Caingá, nesta quinta-feira. Ela trabalhava na escola da rede particular Rosa Damasceno/Creche Cheiro de Neném e, segundo nota divulgada pela direção das instituições, foi afastada do trabalho na última segunda-feira, dia 1º, quando apresentou quadro febril. Também segundo o documento, Thaynan esteve no Centro de Testagem do Pedrão, e, dois dias depois, sua situação piorou. Mesmo conseguindo um leito com a utilização de oxigênio, teve duas paradas cardíacas e não resistiu. "Durante cinco anos ela encantou crianças e adultos com sua alegria, disposição e doação. Uma grande perda", divulgou o estabelecimento, informando ainda que todos os funcionários seriam testados e que o prédio passaria por nova sanitização para retorno às atividades na segunda-feira. 

Nesta quinta, o SEPE (Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação) em Teresópolis divulgou nota sobre o caso. “Assim como essa creche, outras foram autorizadas pela Prefeitura a trabalharem como ‘colônia de férias’. A colega trabalhou durante o mês de janeiro com a Educação Infantil. No dia 11/01/21, o próprio SEPE recebeu denúncias de responsáveis contrários a essa permissão e as encaminhou ao Conselho Municipal de Educação, o mesmo enviou ao Serviço de Supervisão Escolar”, começa o documento, que continua. “A morte da Thaynan mostra que nenhuma medida foi tomada pela prefeitura de modo a preservar sua vida. Muito pelo contrário, nos últimos dias, fomos pressionados por uma carreata pela abertura das escolas privadas e, em Audiência Pública, a maioria dos vereadores e os promotores do MP foram a favor do retorno presencial. E agora? Quem se responsabilizará por essa morte? Aqueles que fizeram carreata pela abertura das escolas, inclusive as públicas? Os vereadores? O prefeito que cedeu à pressão dessas mesmas pessoas e manteve as escolas e creches privadas abertas? A única que não pode ser responsabilizada é a professora Thaynan, pois ela foi obrigada a comparecer ao trabalho! O certo é que temos uma colega provável vítima da COVID, apesar de todos os alertas dados pelos órgãos e autoridades de saúde. Isso prova que somente os protocolos sanitários aplicados nas escolas não são suficientes para proteger os trabalhadores do vírus”. 
Na mesma nota, encaminhada para a redação do jornal O Diário e Diário TV, o SEPE destaca que a relação de trabalho dos profissionais da rede privada é de muita pressão, pois uma recusa de comparecimento pode acarretar em demissões, e alerta para a escalada doença. “Por isso, clamamos ao prefeito Vinícius Claussen para que as escolas privadas também sejam fechadas e mais nenhuma morte de profissional da educação da rede pública ou privada seja banalizada. O momento exige a união de todos os profissionais da educação da cidade. Nossas vidas importam e vamos lutar por elas!”

 

 

Compartilhar:








ÚLTIMAS NOTÍCIAS

A história de Teresópolis, através da imprensa

Aulas presenciais só voltam quando Teresópolis estiver em bandeira amarela

Município do Rio vacina professores da rede pública com 55 anos ou mais

Grandes empreendimentos comerciais em Teresópolis

Quatro mortes num acidente com Palio Weekend na noite desta sexta-feira

CLASSIFICADOS


        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ

Desenvolvido por Agência Guppy