ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Construção Civil começa a dar sinais de retomada

Data: 31/10/2020

De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), Teresópolis registrou 50 admissões no setor da Construção Civil em setembro, contra 46 demissões -Agência Brasil

A recuperação da economia ainda segue em um ritmo lento em Teresópolis, porém os números mostram que as atividades estão aos poucos buscando retomar investimentos e com isso o ritmo de contratações vem aumentando, como é o caso do setor da Construção Civil que no mês de setembro registrou pela primeira vez números positivos na empregabilidade, após 6 meses de retração desde o início do período de quarentena. 
De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), Teresópolis registrou 50 admissões no setor da Construção Civil em setembro, contra 46 demissões. O saldo de quatro vagas pode parecer pouco, porém em comparação com a perda de 29 vagas em março, já se torna um grande alívio verificar que as vagas estão começando a surgir novamente. O tombo foi grande já que em janeiro o setor chegou a contratar 73 novos postos, com um saldo de 40 vagas. Teresópolis segue uma tendência nacional de aquecimento, que no país chega até a obter números maiores.

Melhor setembro
A indústria da construção civil segue em ritmo acelerado, com avanço na atividade e na utilização da capacidade operacional. A pesquisa Sondagem Indústria da Construção, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostra a retomada da indústria de construção civil em setembro, com o índice de evolução do número de empregados chegando a 50,1 pontos no mês.
Essa é a quarta alta consecutiva do índice, que se afastou ainda mais da sua média histórica de 43,9 pontos. O índice é o maior desde abril de 2012 e, para a CNI, isso confirma o bom momento do emprego do setor, embora tenha sido precedido por fortes quedas, observadas em março e abril, em razão dos efeitos da pandemia da Covid-19.
Os dados variam em uma escala que vai de zero a 100. Indicadores abaixo de 50 revelam perspectivas negativas e, acima de 50, expectativas de crescimento. E quanto mais distantes da linha divisória de 50 pontos mais forte e mais disseminado é esse crescimento. Para a pesquisa, foram entrevistadas 170 empresas de pequeno porte, 197 de médio porte e 94 grandes, entre 1º a 14 de outubro de 2020.
O índice de evolução do nível de atividade está em 51,2 pontos, queda de 0,2 ponto em relação a agosto. De acordo com a CNI, a ligeira queda é pouco significativa, pois o índice está acima da linha divisória de 50 pontos pelo segundo mês consecutivo, o que indica aumento do nível de atividade da indústria da construção na comparação com o mês anterior.
A Utilização da Capacidade Operacional também cresceu em setembro pelo quinto mês consecutivo e ficou em 62%, alta de 2 pontos percentuais frente a agosto. O percentual é idêntico ao registrado em setembro de 2019, e supera os percentuais confirmados entre os anos de 2015 a 2018.

Satisfação e confiança
O indicador de satisfação com a situação financeira aumentou 6 pontos na comparação trimestral, alcançando 44,7 pontos no terceiro trimestre. O resultado supera a média de 44 pontos da série histórica, iniciada em 2009.
O Índice de Confiança do Empresário Industrial se manteve estável entre setembro e outubro, em 56,7 pontos. A CNI destaca que a estabilidade ocorre após cinco altas seguidas, se dá em patamar elevado e aponta “para um sentimento de confiança otimista e disseminado entre os empresários da indústria da construção”. Porém, ela está em um nível inferior aos níveis pré-pandemia e aos observados nesse mesmo período do ano passado.
Os índices de expectativa também apresentaram queda em outubro, à exceção do índice de expectativas de números de empregados. Apesar das quedas, todos os índices permanecem acima da linha divisória de 50 pontos, indicando que os empresários da indústria da construção mantêm o sentimento de otimismo.
Entre os principais problemas da construção civil, a pesquisa destaca falta ou alto custo da matéria-prima. O problema se tornou o maior do setor no terceiro trimestre de 2020, apontado por 39,2% das empresas. No segundo trimestre, esse problema era apenas o 11º mais importante e foi assinalado por 9,5% das indústrias de construção. A elevada carga tributária aparece em segundo lugar na lista, com 28,2% de assinalações, seguida da demanda interna suficiente, com 26,4%. A pesquisa completa está disponível no Portal da Indústria.

 

Compartilhar:








ÚLTIMAS NOTÍCIAS

"Temos que chegar com garra e disposição para atender o anseio da população por mudanças"

Covid-19: plano nacional de vacinação terá quatro fases

PMT promete recarregar cartão alimentação nesta quarta

Governador do Rio anuncia mega testagem e descarta mais restrições

Conta de luz ficará mais cara em dezembro

CLASSIFICADOS


        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ

Desenvolvido por Agência Guppy