ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Começa, finalmente, o trabalho de limpeza de rios em Teresópolis

Data: 23/01/2020

O serviço faz parte do programa ?Limpa Rio?, do governo estadual, anunciado pelo Governador Wilson Witzel em outubro do ano passado

Começou nesta terça-feira (21), a limpeza e desassoreamento do Rio Príncipe, que nasce em Campo Grande e deságua na Cascata do Imbuí, cortando ainda o bairro da Posse. O serviço faz parte do programa “Limpa Rio”, do governo estadual, anunciado pelo Governador Wilson Witzel em outubro do ano passado. Nesta quarta-feira (22), o secretário de Estado de Ambiente e Sustentabilidade, Altineu Côrtes, esteve na prefeitura para falar sobre o início do programa e entregar ofícios com importantes demandas ambientais de Teresópolis. Uma delas é a retomada das demolições de 1.946 imóveis, nas áreas urbana e rural, demarcados desde a tragédia de 2011. Outro pedido foi espaço para que o município apresente projeto e receba recursos, a fim de executar medidas de remediação e solução para o aterro sanitário, no Fischer.  “Por determinação do governador Witzel, vamos atender Teresópolis em todas as demandas encaminhadas ao governo do estado”, garantiu o secretário estadual Altineu Côrtes. O encontro com o prefeito Vinicius Claussen foi acompanhado pelo secretário municipal de Meio Ambiente e de Defesa Civil, Flavio Castro, pelo subsecretário de Defesa Civil, Albert Andrade, e pelo assessor Leonardo Maia, da Secretaria de Estado.
Limpeza de rios - Com investimento de R$ 4,4 milhões, recursos do Fundo Estadual de Conservação Ambiental e Desenvolvimento Urbano – FECAM, a determinação é que a dragagem dos rios, na cidade e no interior, seja realizada pelo período de um ano em Teresópolis. O objetivo é aumentar a vazão da água em período de chuva forte e evitar transbordamentos. “Enquanto o estado atende os rios Príncipe – na Posse, Triunfo e Caetés – no Caleme e Parque do Imbuí, e os afluentes no Segundo e Terceiro Distritos, a Prefeitura colabora limpando córregos e cursos d’água nos bairros Quinta-Lebrão e Albuquerque. No centro da cidade, o Paquequer teve a calha limpa no ano passado e o serviço será retomado no período de seca”, explicou Flavio Castro, secretário municipal de Meio Ambiente.

Aterro sanitário
Outro pedido apresentado foi o de abertura de espaço para que a Prefeitura possa apresentar projeto ao FECAM, a fim de que o município receba recursos do Fundo Estadual para algumas medidas de remediação e solução para o aterro sanitário, no Fischer, cuja vida útil expirou em 2016 e que vem funcionando por força de liminar desde 6 de março de 2018. Um dos projetos é de custeio do transbordo do lixo produzido por Teresópolis para aterros sanitários licenciados de municípios vizinhos. Outro é o de solicitação de recursos para aquisição de outra área visando a instalação de novo aterro sanitário, com tratamento moderno e transformação dos resíduos sólidos em biocombustível, fonte de renda e geração de empregos para o município.
Coleta seletiva - A Prefeitura, através da Secretaria de Meio ambiente, pretende implantar, em fevereiro, o programa “Recicla Terê”, de coleta seletiva, com a instalação de 19 ecopontos pela cidade e o uso de um caminhão baú para recolhimento desse material. 

 

 

Compartilhar:








ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Governo do Estado repassa R$ 218 milhões às prefeituras

Flamengo e Athletico-PR lutam por Supercopa do Brasil

Rio vai atualizar e padronizar protocolos de controle do coronavírus

Padre Jorge fala sobre o desafio de assumir a paróquia de Santa Tereza

Vigilância Sanitária já interditou dois estabelecimentos em 2020

CLASSIFICADOS


        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ