ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Centro municipal de diálise recebe nome do Dr. Robertão

Data: 22/08/2019

Prefeito Vinicius Claussen e Vice-prefeito Ari descerram placa com os familiares. Obra teve início no governo Arlei e foi inaugurada por Tricano

Médico, professor, político e, por último, prefeito de Teresópolis, o Dr. Roberto Pinto, Robertão, recebeu nesta segunda-feira (19), uma grande homenagem: A nomeação do conhecido centro municipal de diálise, que passa a se chamar Centro de Terapia Renal Substitutiva Roberto José Pereira Pinto. O pedido foi feito pela Loja Maçônica Teresópolis Primeira, de onde Robertão era membro, e foi atendido e transformado em projeto de lei pelo Vereador Mauricio Lopes. Autor da Lei Municipal nº 3.597/2017, o Vereador Maurício Lopes enalteceu a figura pública de Robertão. “Como vice-prefeito e prefeito, ele representou uma grande esperança para o município, assim como essa clínica representa para todas as pessoas que necessitam de tratamento de saúde”. “É um orgulho muito grande um homem que fez tanto pela nossa cidade, e pertencendo a nossa Loja, ser homenageado dessa forma”, comentou Paulo César Cordeiro, da Loja Maçônica Teresópolis Primeira. Emocionados, os filhos do Dr. Robertão agradeceram a homenagem. “A família toda adorou essa indicação. Desde criança, meu pai dizia pra gente que ele ‘estava’ como político, mas que sempre foi médico, e essa homenagem mostra essa realidade”, agradeceu o filho, Robson Pinto, em nome da família.

Obra foi iniciada durante o governo Arlei Rosa - Arquivo
Quem foi Robertão - Roberto José Pereira Pinto formou-se em medicina em 1975 e se especializou em ortopedia e medicina do trabalho. Casado, pai de quatro filhos, foi professor da Faculdade de Medicina de Teresópolis por 30 anos.  Fundou e dirigiu por 31 anos a tradicional COT – Clínica de Ortopedia e Traumatologia. Foi diretor do Hospital das Clínicas de Teresópolis, da Beneficência Portuguesa e da extinta Casa de Saúde Nossa Senhora Fátima.  Figura pública de Teresópolis, Dr. Roberto Pinto, o Robertão, iniciou sua carreira política em 1982. Foi Deputado Estadual e Vice-prefeito no período de 2009 a 2011. Robertão foi empossado prefeito interino no dia 5 de agosto de 2011. Ele morreu de complicações cardíacas apenas 48 horas depois de ter assumido.

História do Centro de Terapia Renal
Localizado na Tijuca, o Centro de Terapia Renal Substitutiva atende 110 pacientes de Teresópolis e cidades vizinhas. Foi inaugurado em novembro de 2016 pelo então prefeito Mário Tricano – que estava no cargo somente por força de liminar na Justiça. Porém, coube a esse político apenas descerrar a placa de inauguração, tendo a obra sido iniciada no governo Arlei Rosa, três anos antes. Entre 2011 e 2016, os pacientes da diálise enfrentaram grande luta para conseguir tratamento, precisando buscar clínicas no Rio de Janeiro e Itaboraí. A longa viagem, quase que diária, pode ter contribuído para a morte de quase 100 pessoas nesse período. Alguns pontos marcaram a história do setor em Teresópolis:
Novembro 2011 – Vigilância Sanitária suspende o serviço de hemodiálise oferecido pelo HCT – Hospital das Clínicas de Teresópolis e a Prefeitura passa a oferecer transporte para os pacientes até o Centro de Terapia Renal de Itaboraí.
Abril de 2012 – Apesar de executar todas as obras e alterações impostas, a Vigilância Sanitária Estadual, decide tirar a concessão do serviço do HCT, repassando a licença para o Hospital São José.
Setembro 2013 – Pacientes denunciam que foram contaminados pelo vírus da Hepatite C durante o procedimento nas dependências do HSJ, o que levou a nova interdição pela Vigilância Sanitária. A Prefeitura volta a garantir transporte dos pacientes dialíticos três vezes por semana, em três turnos, até o Centro de Terapia Renal de Itaboraí. “Sensibilizado com a situação dos pacientes dialíticos, o prefeito Arlei inicia uma série de reuniões junto a Secretaria Estadual de Saúde com o objetivo de construir uma unidade pública na cidade de Teresópolis”, informou a Assessoria de Comunicação na época.
Novembro 2013 – Prefeito Arlei Rosa consegue a aprovação de verbas para a construção da Clinica de Hemodiálise de Teresópolis. 
Fevereiro de 2014 – Prefeitura remaneja a Defesa Civil de prédio localizado na Tijuca e cede o terreno para a construção da Clínica.
Março de 2014 – Obras para a construção do Centro Municipal de Hemodiálise são iniciadas.
Agosto de 2014 – A fim de adequar-se à nova RDC 11, que dispõe sobre os Requisitos de Boas Práticas de Funcionamento para os Serviços de Diálise, publicada após a aprovação do projeto original, a Secretaria de Fiscalização de Obras solicita o aumento do prazo de conclusão para a obra a fim de adequar-se às novas exigências. Tais adequações geram um custo adicional não previsto de 518 mil reais.
Janeiro de 2015 – Prefeito Arlei Rosa se reúne com o novo Secretario Estadual de Saúde e consegue as verbas necessárias ao término da obra.
Maio de 2015 – As obras do novo Centro Municipal de Hemodiálise são concluídas e o novo prédio é entregue para a Secretaria de Saúde. Arlei Rosa perde o mandato e acontece eleição suplementar.


Novembro de 2016 – Então considerado Ficha Suja, Tricano estava no cargo sob força de Liminar e acabou tendo o privilégio de inaugurar o prédio público no dia 29 de novembro daquele ano. O empresário do ramo hoteleiro e imobiliário ficou no cargo até o início de 2018, quando nova eleição suplementar elegeu, para mandato tampão, Vinicius Claussen.

 

Compartilhar:






ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Maior festival multicultural do país abre inscrições na próxima semana

Estácio Teresópolis participa de ação no Dia Mundial da Limpeza

Teresópolis sedia mais uma edição do "Domingo Natural Integrativo"

Conselho Tutelar: 23 candidatos concorrem ao cargo em Teresópolis

Tite inclui Gabigol entre os convocados para amistosos da seleção

        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ