ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Cemitérios prontos para o Dia de Finados

Data: 01/11/2018

Nas últimas quadras do Caingá (37, 38 e 39) ficam localizadas as covas rasas, procuradas também por pessoas que optam pela simplicidade e desapego na hora da despedida - Marcello Medeiros

Marcello Medeiros

Nos últimos dias, equipes da secretaria municipal de Serviços Públicos ampliaram o trabalho de manutenção nos cemitérios de Teresópolis – que são nove ao todo – visando a esperada ampliação da visitação nesta sexta-feira, 02 de novembro, Dia de Finados. Os locais passaram por capina, poda, varrição e limpeza geral. O principal campo-santo do município é o Carlinda Berlim, conhecido popularmente pelo nome anterior, o Caingá. De acordo com a prefeitura, nesse local são esperados entre cinco e seis mil visitantes e, nesta sexta, às 9h30, será realizada uma missa pela data.
O Carlinda Berlim tem 3.465 sepulturas, além de aproximadamente 2.300 covas rasas, duas mil gavetas e mesma quantidade de nichos (locais para o depósito dos restos mortais depois do período nas gavetas mortuárias). Nas últimas quadras (37, 38 e 39) ficam localizadas as covas rasas. Quem visita o local pode achar que estão enterradas ali somente pessoas sem condições financeiras ou indigentes, mas estão também nas covas rasas até famílias ricas que optaram pela simplicidade. 
Para quem não possui sepulcro perpétuo na família e não quer realizar o enterro nas covas rasas, a única opção são as gavetas, alugadas pelo período de quatro anos. Depois desse prazo, o corpo é exumado. Caso o familiar queira, os restos mortais são transferidos para os nichos. Para tanto, é cobrada uma taxa única de perpetuação. Após a desocupação, a gaveta é higienizada e liberada para novo sepultamento.  Além do Caingá, existem outros oito campos-santos em Teresópolis: Canoas, Venda Nova, Vale Alpino, Vieira, Bonsucesso, Santa Rita, Serra do Capim e Rio Preto (próximo a localidade do Imbiú). 

O Dia de Finados
Para entendermos o Dia de Finados primeiro precisamos saber que seu outro nome também é Dia dos Fiéis Defuntos, que remete às tradições do início do cristianismo, sendo encontrados registros a partir do século II, quando em antigas tumbas e lápides podiam se encontrar grafismos com orações para aqueles que estavam enterrados. No século V foi separado um dia para orar pelos mortos que não eram mais lembrados e ninguém mais rezava. Mas foi no Século XI durante o pontificado do Papa Leão IX que foi criado um dia onde todos os fiéis deveriam orar aos finados. A data de 2 de novembro seria estabelecida durante o século XIII, pois é logo após o dia de todos os santos. Como no Dia de Todos os Santos oramos por aqueles Santos que não foram lembrados ao longo do ano, no Dia de Finados oramos pelos que morreram e não são lembrados durante todo o ano.

 

 

Compartilhar:








ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Vacinas Covid-19: AstraZeneca e Pfizer têm efetividade confirmada na redução de hospitalizações

Covid-19: adultos são fonte de infecção mais comum que crianças

Latinos viajam aos Estados Unidos em busca de imunização

Novos dados confirmam rejuvenescimento da pandemia

Fiocruz produz 40% das vacinas contra a Covid-19 no Brasil

CLASSIFICADOS


        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ

Desenvolvido por Agência Guppy