ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Casa São Vicente precisa de adaptações para ampliar atendimento

Data: 28/03/2019

A casa que tem capacidade para abrigar sessenta idosos, hoje atende somente cinquenta leitos, por não ter a estrutura adequada a ser oferecida. Dez vagas que poderiam ser preenchidas acabam sendo perdidas por conta dessa ausência das adequações

Paola Oliveira 

A Casa São Vicente, localizada no coração do Bairro de São Pedro, vem ao longo dos anos trabalhando voluntariamente para oferecer bem-estar, segurança e amor aos idosos que necessitam de cuidados nessa fase da vida, ou como diz o seu slogan: Abrigando com amor, essas pessoas. Como instituição filantrópica, a casa presta serviços à sociedade, e principalmente a famílias mais carentes, não tendo como finalidade a obtenção de lucros. Sobrevive a partir de doações de empresas e da sociedade que se sensibiliza com a causa e se dispõe a ajudar, mas como toda entidade do tipo, bem sempre pode contar com essa participação. Atualmente, seu maior obstáculo vencido a cada dia pelos idosos dentro do espaço tem sido as estruturas não adaptadas as suas necessidades, como por exemplo, pisos antiderrapantes e a presença do corrimão por toda extensão da casa, fatos essenciais para a segurança. Agora, esse obstáculo se tornou não só dos idosos, mas da própria entidade que busca arduamente a participação da sociedade via doações de materiais de construção para realizar essas adequações exigidas pela vigilância sanitária, justamente para obter o alvará de funcionamento pleno do espaço.
“Para nós conseguirmos o alvará da Vigilância Sanitária precisamos de muita adaptação na casa, para o conforto do idoso, para a segurança do idoso, que anda com dificuldade. A gente sabe que uma queda nessa idade é complicada. A minha vontade, a vontade da diretoria é oferecer um lar digno, bonito, confortável, seguro, para que eles possam viver aqui com a gente no conforto que eles merecem ter”, explica Nei Nascimento, Diretor da unidade e que explica que já foram muitas as intervenções desde que assumiu, mas ainda não suficientes. “A Casa São Vicente já passou por várias mudanças estruturais. Grandes obras foram feitas para melhor comodidade e maior conforto dos idosos. Através de doações pode ser feito um refeitório, novos banheiros, uma lavanderia e a ala feminina, trazendo mais privacidade. Mas ainda há muito a ser realizado”, explica.
A casa que tem capacidade para abrigar sessenta idosos, hoje atende somente cinquenta leitos, por não ter a estrutura adequada a ser oferecida. Dez vagas que poderiam ser preenchidas acabam sendo perdidas por conta dessa ausência das adequações. De acordo com Nei, que está a frente da instituição há sete anos, adequar o prédio para a segurança dos idosos que lá residem, é de extrema importância, já que está tem a função de manter a continuidade do trabalho e também possibilita a abertura desse número de vagas. “O nosso maior intuito é bem-estar do idoso. Nós queremos ser referência do trato ao idoso, e se Deus quiser com a ajuda da população nós vamos conseguir”, enaltece.
A vida é feita de mudanças, novidades e adaptações. Morar em um asilo como a Casa São Vicente é uma etapa que nem todos os idosos vivenciam, mas para aqueles que são internados por algum motivo, as novas rotinas e necessidades de convivência demandam força de vontade, privações e criatividade para passar o tempo. Os cinquenta idosos que fazem parte do Lar, também se tornam parte dos hábitos do lugar. Os que possuem mais dificuldades motoras precisam de ajuda para momentos como o banho, as doses de medicamentos diários, até nas refeições. Na Casa, têm hora certa para tudo: comer, tomar banho, assistir televisão, acompanhamento nutricional ou fisioterápico, cuidados com as unhas, enfim, tudo é feito com muito controle. A Casa abre suas portas para aqueles que desejam conhecer a instituição e o trabalho. Se dispõe a mostrar fotos de quando tudo começou, e como ainda caminha para a qualidade. Para os grupos de visitantes com maior número, se pede um contato antecipado.
No entanto, o asilo está sempre apto para receber a todos 24h. Por meio de redes sociais, os trabalhos e doações são divulgados e fomentam a visibilidade, que consequentemente ajuda nas doações e seu aumento. Através das páginas, o asilo transparece as necessidades atuais, alcançando os voluntariados, dando força a filantropia, que é a demonstração de generosidade, a tendência a ajudar os necessitados, a caridade e o amor excessivo pela humanidade. “Nós temos a página no Facebook do Asilo, e a gente tem muito respeito e carinho, porque quando postamos algo que a instituição precisa, a tarde já chega no asilo. Nós somos muito gratos a essa rede de amigos que a casa São Vicente tem.  Nós estamos abertos, você pode vim tomar um café com a gente, não precisa só vim para doar, pode vim para dar amor, carinho que é importante também”, finaliza Nei.


A Casa São Vicente precisa de adaptações para ampliar atendimento. Entidade que atende idosos precisa fazer reparos em paredes, telhados e janelas e instalar pisos antiderrapantes e corrimão por toda extensão do espaço

Compartilhar:








ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Prefeitura de Teresópolis libera reabertura dos parques

Anticorpos contra covid-19 duram pelo menos sete meses, mostra estudo

Aos 80 anos, Pelé é homenageado pela Fifa

Eleições: PF usará drones para flagrar crimes como boca de urna

Estado repassa mais R$ 371 milhões para as prefeituras fluminenses

CLASSIFICADOS


        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ

Desenvolvido por Agência Guppy