ASSISTIR AO VIVO

REDES SOCIAIS

INSCREVA-SE NO

Alerj inicia série de debates sobre o ano letivo de 2021

Data: 09/12/2020

Em audiência pública virtual realizada pela Comissão de Educação da Alerj foram expostos dados científicos sobre a pandemia do coronavírus e ouvidos gestores de saúde pública, representantes de escolas particulares, professores e estudantes - Agência Brasil

O debate sobre o esquema de ensino nas escolas particulares do estado em 2021 mostrou que os sindicatos de profissionais e o patronal estão em posições antagônicas. Em audiência pública virtual realizada pela Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) nesta terça-feira, 08, foram expostos dados científicos sobre a pandemia do coronavírus e ouvidos gestores de saúde pública, representantes de escolas particulares, professores e estudantes. Na próxima terça, 15, será discutido o próximo ano letivo na rede pública de ensino. Para o presidente da comissão, deputado Flávio Serafini (PSol), a discussão é necessária por envolver diversos aspectos importantes. “Estamos enfrentando muitos desafios. Como conseguir coordenar o direito à vida e o direito à educação? Estamos em um país onde alguns não têm acesso à educação. O direito à vida se sobrepõe, mas estamos em uma pandemia e precisamos nos organizar”, frisou o parlamentar.
O Sindicato das Escolas Particulares do estado (Sinepe-RJ) se posicionou favorável ao retorno das atividades escolares presenciais. “Nos posicionamos pelo retorno gradual e seguro, fundamental para a preservação da qualidade de vida dos estudantes”, afirmou Fabrício de Martino, representante da instituição. Representando o Sindicato dos Professores do município do Rio de Janeiro e Região (Sinpro-Rio), Afonso Teixeira questionou a condição sanitária das escolas e pediu atenção aos professores. “O sindicato patronal tem que admitir as dificuldades de cumprir os protocolos, já que muitas escolas não conseguem fazer frente a estas exigências. Muitos se preocupam com a saúde só dos estudantes, e nós professores somos vistos como os que não querem trabalhar, embora estejamos trabalhando de casa exaustivamente”, criticou.
Como representante dos estudantes secundaristas do estado, o aluno Gabriel Issa disse ser contrário ao retorno do ensino presencial. “A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) mostra que milhões de estudantes moram com pessoas do grupo de risco. É evidente que, mesmo com todas as medidas sanitárias, o retorno acarretaria aumento no índice de mortes. A escola não pode ser centro de negacionismo. Os conteúdos de ensino perdidos podem ser recuperados posteriormente”, considerou. Dados trazidos pela Subsecretaria de Estado de Saúde mostraram o grau de disseminação do vírus, hoje. De acordo com o representante da subsecretaria, André Ramos, as condições atuais indicariam a necessidade do isolamento da comunidade escolar. “Mais de 80% da população do estado se encontra atualmente sob as bandeiras vermelha ou laranja, que representam índices de contaminação elevados e preveem o fechamento de escolas”, pontuou.
Diretor da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/Fiocruz), Hermano Castro trouxe dados que indicam que há sobrecarga do sistema de saúde estadual. “O Rio de Janeiro está em uma situação muito difícil, com mais de 300 pessoas à espera de um leito hospitalar. Entre os meses de setembro e outubro houve um aumento de 40% no número de mortes fora de hospitais. Muitos serviços estão abertos, há o aumento do contágio, além de um déficit e um esgotamento dos profissionais de saúde”, alertou.
Para o deputado Flávio Serafini, discutir o preparo das unidades escolares para o próximo ano letivo é fundamental para garantir a segurança de todos. Ele destacou ainda a importância da próxima audiência pública sobre o tema, focada na rede de ensino pública. “É impossível pensar no ano de 2021 na rede pública sem planejar a inclusão digital. Não podemos cometer os mesmos erros deste ano”, considerou. Também estiveram presentes na audiência o deputado Waldeck Carneiro (PT) e representantes da Defensoria Pública do Estado e do Ministério Público Estadual.

 

Compartilhar:








ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Rio suspende vacinação de profissionais de educação e segurança

Programa de redução de salários preserva mais de 500 mil empregos

Covid-19: Brasil tem mais de 15 milhões de casos acumulados

Estudo mostra que máscaras de algodão têm eficiência de 20% a 60%

Teresópolis imuniza pessoas com Síndrome de Down, grávidas e mulheres que tiveram bebê recentemente, após 45 dias do parto

CLASSIFICADOS


        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ

Desenvolvido por Agência Guppy