Visite nossas redes sociais:

edição digital

leia

Prefeitura do Rio recebe recomendação contra censos religiosos

Data: 15/12/2017

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio da 4ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva da Cidadania da Capital, expediu recomendação no último dia 12/12, ao Prefeito do Rio de Janeiro Marcelo Crivella e ao Secretário Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos, Pedro Fernandes, para que se abstenham de realizar censos religiosos em órgãos do Município e em formulários para a realização de cadastro e identificação de cidadãos participantes de políticas públicas municipais.

A recomendação foi expedida após a instauração de inquérito civil pelo MPRJ, que analisa a iniciativa da Prefeitura e da Secretaria Municipal de Assistência e Direitos Humanos de realizar um censo religioso por meio do formulário de identificação dos usuários da Academia Carioca/Rio ao Ar Livre. Ao preencher o documento, os usuários deveriam informar seus dados cadastrais, informações de seu estado de saúde, se possuem religião e, em caso positivo, qual fé eventualmente professam.

Assim, não se verificou nenhuma pertinência entre o censo religioso e a realização da prática de atividades físicas pelos usuários da Academia Carioca/Rio ao Ar Livre nas Unidades Básicas de Saúde do Município. No entendimento do Ministério Público, a exigência de que os usuários informem sua religião pode implicar tratamento discriminatório, violando os princípios constitucionais da Administração Pública da impessoalidade e da moralidade, na medida em que personaliza a escolha dos usuários aptos a participar da política pública.
O Ministério Público alertou também que a liberdade religiosa está ligada à intimidade, à privacidade e à igualdade. Além disso, não se pode criar condições que possibilitem favorecer um credo em detrimento de outros, ou mesmo valorizar a religiosidade, em detrimento da não religiosidade. Assim, a laicidade do Estado deve salvaguardar as diversas confissões religiosas do risco de intervenções abusivas pelo poder público; preservar os princípios de intimidade e privacidade dos seus cidadãos de eleger seu credo; proteger o Estado de influências indevidas pelas instituições religiosas; impor neutralidade ao poder público em relação às diferentes concepções religiosas presentes na sociedade, sendo-lhe vedado tomar partido em questões de fé, bem como buscar o favorecimento ou o embaraço de qualquer crença.

 

Compartilhar:






ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Confirmada para 3 de junho a nova eleição em Teresópolis

Segunda instância rejeita último recurso de Lula no caso do triplex

Projeto que pune quem divulgar imagem de cadáver avança na Câmara

Inflação do aluguel avança menos na segunda prévia de abril

Lucro de imóvel para quitar outro é isento de imposto, decide STJ

        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ