Visite nossas redes sociais:

edição digital

leia

Prefeitura ainda não escolheu empresa para organizar concurso

Prevista para acontecer no último dia 21, a escolha da empresa que irá organizar p processo seletivo para a Secretaria Municipal de Educação de Teresópolis ainda não aconteceu. O motivo para o atraso no certame não foi informado. “A Prefeitura informa que encontra-se em andamento o processo licitatório para contratação de empresa responsável pela organização do concurso público para a Educação”, resumiu a Assessoria de Comunicação da PMT quando questionada sobre a situação. Em meados de junho, foi publicado edital para seleção de empresa especializada na prestação de serviços técnicos para elaboração de concurso público para Professor I e II (Educação Infantil até 9º ano do Ensino Fundamental) para o município. Graças à verba do FUNDEB (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação), tal setor é o único que não vem sofrendo com o atraso constante no pagamento dos salários dos servidores públicos municipais promovido pelo governo Mário Tricano. Apesar da necessidade de reajuste para a categoria, a educação ainda é a melhor área para se trabalhar na PMT.
“O objetivo do Governo Municipal é que todo o processo esteja concluído este ano para que, em 2018, o ano letivo seja iniciado com os novos professores atuando nas creches e escolas da Rede Municipal de Ensino”, informou a pasta, através da Assessoria de Comunicação, no início do mês.
Das 201 vagas, 131 serão para professor I e 70 para professor II. Os salários serão de R$2.362,76 e R$1.666,95, respectivamente. A contratação ocorrerá por regime estatutário, que garante estabilidade. Os aprovados para professor I trabalharão com turmas do segundo segmento do ensino fundamental em áreas específicas. A carga horária será de 16 horas semanais. Para esse cargo é necessário ter ensino licenciatura em uma das seguintes disciplina: Matemática (38 vagas), Português (35), História (12), Geografia (17), Ciências (12), Inglês (10), Artes (3) e Educação Física (4). Já os professores II atuarão com ensino infantil e o primeiro segmento do ensino fundamental. Para essa função é preciso ter ensino médio completo na modalidade normal ou curso de graduação em Pedagogia. A carga será de 22 horas semanais. O concurso contará com etapa única, constituída por prova de conhecimentos gerais e específicos.

Reajuste para a categoria
Em uma das últimas sessões da Câmara de Vereadores, antes do recesso, o parlamentar Leonardo Vasconcellos destacou a situação dos professores da rede municipal de Educação que estão há dois anos sem receber os reajustes salariais determinados pelo Ministério da Educação (MEC), que em 2016 foi de 11,36% e em 2017 foi de 7,64%, acumulando 19% que não foram repassados. De acordo com o vereador, que já foi Secretário Municipal de Educação, a prefeitura deveria ter concedido o reajuste automaticamente já que o dinheiro para esse pagamento vem diretamente do Governo Federal, através do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Com esse congelamento, os salários ficaram defasados frente a dois anos de inflação. 
O MEC reajustou o piso salarial dos professores da educação básica da rede pública de R$ 2.135,64 para R$ 2.298,80 em janeiro deste ano, mas este novo valor que deveria ser o menor a ser pago para estes profissionais em todo o Brasil não foi alcançado ainda em Teresópolis. De acordo com dados do Banco do Brasil, a prefeitura de Teresópolis recebe em média R$ 7 milhões por mês do Fundeb.
Esse problema já foi alvo de protestos e paralisações dos próprios servidores com apoio do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Teresópolis (SindPMT). Os funcionários chegaram a tentar negociar, mas o prefeito Mário Tricano não os atendeu. “A gente teve uma reunião com a secretária Eveline, tentamos um processo de negociação para ver o que poderia ser feito e ela já disse que não teria como diante do que o município vem passando. Fica inviável para qualquer gestão dar futuramente algo que já chegou aos19%. Já são dois anos e já pedimos na Justiça, tentamos negociar com a prefeitura, mas eles alegam que é necessário sair da crise, porém o dinheiro vem do Fundeb, é uma verba carimbada e obrigatoriamente tem que ser usada com a Educação”, destacou Kátia Borges, diretora do sindicato.
O piso salarial dos docentes é reajustado anualmente, seguindo as regras da Lei 11.738/2008, a chamada Lei do Piso, que define o mínimo a ser pago a profissionais em início de carreira, com formação de nível médio e carga horária de 40 horas semanais. A lei vincula o aumento à variação ocorrida no valor anual mínimo por aluno definido no Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Pela lei, os demais níveis da carreira não recebem necessariamente o mesmo aumento, o que é negociado em cada unidade federativa.

 

Foto: Agência Brasil - O objetivo é que todo o processo esteja concluído este ano para que, em 2018, o ano letivo seja iniciado com os novos professores atuando nas creches e escolas da Rede Municipal de Ensino






ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Vereadores analisam documentos de compra das toneladas de bananas

MP obtém suspensão da cobrança do IPTU de Guapimirim

Mais um motociclista morre na BR-116

Clube Comary anuncia a 2ª Choco Festa

Arbor promove mais uma edição da SISMAQ

        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ