Visite nossas redes sociais:

edição digital

leia

Lei Seca: Número de motoristas alcoolizados cai 43%

Data: 09/09/2017

Em 2009, o percentual de motoristas abordados embriagados nas blitzen era de 7,9%. Passados oito anos, esta média caiu para 4,5%, ou seja, houve uma queda de 43% nas incidências de alcoolemia - Foto André Gomes de Melo

A Operação Lei Seca – que iniciou suas atividades há  oito anos com o objetivo de fiscalizar motoristas para evitar acidentes de trânsito – tem ajudado a reduzir o número de pessoas alcoolizadas flagradas ao volante. Em 2009, o percentual de motoristas abordados embriagados nas blitzen era de 7,9%. Passados oito anos, esta média caiu para 4,5%, ou seja, houve uma queda de 43% nas incidências de alcoolemia.
Segundo dados do Dossiê de Trânsito 2016, do Instituto de Segurança Pública (ISP) e da Coordenadoria de Estatística e Acidentologia do Detran-RJ, a taxa de mortos em acidentes de trânsito no Estado do Rio de Janeiro reduziu 28%, de 2009 a 2015 (taxa por 100 mil habitantes). 
Desde o início da Operação Lei Seca no Rio de Janeiro, em 19 de março de 2009, foram realizadas mais de 19 mil ações de fiscalização por todo o estado e mais de 2,6 milhões de motoristas foram abordados. Destes, cerca de 175 mil pessoas apresentavam sinais de alcoolemia e tiveram suas carteiras de habilitação recolhidas.
 Segundo a legislação de trânsito em vigor, quem é flagrado dirigindo sob a influência de álcool ou de qualquer substância psicoativa, terá a Carteira Nacional de Habilitação suspensa por 12 meses, pagará multa de R$ 2.934,70, terá retenção do veículo até a apresentação de um condutor habilitado e o recolhimento do documento de habilitação. E, caso seja flagrado novamente, no período de até 12 meses, a multa será aplicada em dobro, passando a ser R$ 5.869,40.
 
Educação
 Além do trabalho diário de fiscalização, a Lei Seca atua na área educativa. Todos os dias a equipe de educação – composta por cadeirantes vítimas de acidentes de trânsito provocados por consumo de bebida alcoólica –, reforça para a população, através de visitas em bares, festas, ou palestras em universidades, escolas e empresas, a recomendação de não dirigir depois de beber.
 
 

Compartilhar:






ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Colisão entre caminhões na estrada Rio-Bahia

Ministra do TSE rejeita pedido do MBL para declarar Lula inelegível

COLUNA WANDERLEY

Ministro quer todos os estados no sistema de boletins de ocorrência

Rastreamento de veículos oficiais gera economia e segurança

        2742-9977   |   leitor@netdiario.com.br   |  Rua Carmela Dutra, 765 - Agriões Teresópolis/RJ